Uma pesquisa sobre os alcances exteriores de Saturno resultou na descoberta de 20 novas luas. Com 82 satélites naturais, Saturno é o planeta do sistema solar com o maior número de luas, superando as 79 conhecidas de Júpiter.

É sempre especial quando astrônomos descobrem novas luas, mas esta última descoberta é extrema — 20 novas luas confirmadas de uma só vez, como anunciou nesta segunda-feira (7) pelo Minor Planet Center, da União Astronômica Internacional (IAU, em inglês).

A equipe por trás da descoberta inclui Scott Sheppard, da Carnegie Institution for Science, Davie Jewitt, da UCLA, e Jan Kleyna da Universidade do Havaí. As órbitas distantes foram vistas com o telescópio Subaru, localizado em Mauna Kea, no Havaí, de acordo com o comunicado de imprensa da Carnegie.

Como você deve se lembrar no ano passado, Sheppard esteve envolvido na descoberta de 12 luas adicionais ao redor de Júpiter, elevando o total do gigante Joviano para 79. A nova descoberta eleva o total de Saturno de 62 praa 82 — o máximo no sistema solar.

“Encontrar novas luas dos planetas é difícil porque elas geralmente são muito fracas e, portanto, difíceis de rastrear ano a ano, a fim de obter órbitas confiáveis para eles”, escreveu Sheppard em um e-mail para o Gizmodo. “Eu tenho usado alguns dos maiores telescópios do mundo para encontrar as novas luas e um algoritmo de computador atualizado para vincular as novas descobertas ano a ano, permitindo-nos determinar oficialmente que eles estão orbitando Saturno e, portanto, são novas luas de Saturno”.

Duas das novas luas de Saturno, mostradas entre as faixas amarelasDuas das novas luas de Saturno, mostradas entre as faixas amarelas. Crédito: Scott Sheppard

Quando questionado sobre a razão por que demorou tanto tempo para achar essas novas luas, Sheppard disse que a razão tem relação com a baixa iluminação delas. Atualmente, os astrônomos “são capazes de encontrar apenas luas com alguns quilômetros em torno de Saturno porque o planeta está muito longe”, disse ele. O pesquisador e seus colegas suspeitam que existem 100 luas em torno de Saturno com mais de 1,6 km de tamanho, “mas serão necessários telescópios maiores para encontrar essas luas menores e, portanto, mais fracas”.

Cada uma das novas luas descobertas de Saturno medem entre 3 e 4 km de diâmetro, então, sim, elas são bem pequenas. Das 20 novas luas, três estão em órbita progressiva (movendo-se na mesma direção que a rotação de Saturno) e 17 em órbita retrógrada (movendo-se em direção oposta à rotação de Saturno).

Todas as novas luas estão relativamente longe de Saturno. Duas das luas prógradas necessitam de dois anos para fazer uma órbita completa em volta do gigantes de gás, enquanto as outras 18 luas necessitam de mais de três anos para realizar uma única órbita (nossa Lua precisa de 27 dias para fazer uma órbita completa em torno da Terra). A mais extremas dessas novas luas, conhecida como S5613a2 m, precisa de 1.413 dias, ou 5,3 anos, para fazer a volta em Saturno, tornando-a a Lua mais distante do gigante de gás.

Concepção artística de 20 luas recém-descobertas de Saturno, mostrando três grupamentos e direção de órbitaConcepção artística de 20 luas recém-descobertas de Saturno, mostrando três grupamentos e direção de órbita. Crédito: Imagem de Saturno por NASA/JPL-Caltech/Space Science Institute. Já a foto do fundo é por Paolo Sartorio/Shutterstock

As novas luas foram divididas em três categorias distintas, dependendo dos ângulos em que orbitam em torno de Saturno.

Duas das luas prógradas foram designadas para o grupo Inuit (mostrado em azul no gráfico acima), cujas luas são nomeadas após a mitologia Inuit. As luas inuítes são provavelmente remanescentes de uma grande lua ou objeto que se desintegrou em fragmentos menores há muito tempo. A lua prógrada restante foi colocada no grupo gaulês (mostrado em verde), mas está muito mais distante do que as luas gaélicas conhecidas anteriormente; portanto, essa designação pode não se manter, de acordo com a versão de Carnegie. Todas as 17 luas retrógradas têm inclinações semelhantes ao grupo nórdico (mostrado em vermelho), que é onde elas estão. Acredita-se que o grupo nórdico, como o grupo Inuit, tenha se originado de um objeto muito maior que se partiu em pedaços menores, provavelmente devido a uma colisão.

Saturno está mais distante da Terra do que de Júpiter. Por isso é mais difícil encontrar luas ao redor de Saturno. Ver que Saturno “tem mais luas, embora seja mais fácil encontrá-las, mostra quantas luas Saturno coletou ao longo do tempo”, disse Sheppard ao Gizmodo. “Como essas novas luas estão em órbitas inclinadas longe de Saturno, acreditamos que essas novas luas foram capturadas por Saturno logo após o processo de formação do planeta. Essas luas são remanescentes dos objetos que ajudaram a formar os planetas; portanto, estudando-os, aprendemos sobre o que os planetas formaram”.

Após a descoberta, vai rolar um concurso para o público escolher nomes para as 20 luas. Desculpe, mas Saturn McSaturn Face não será permitido, pois os nomes devem estar de acordo com seus agrupamentos mitológicos, além de outras convenções de nomenclatura.

Sejam bem-vindas, novas luas! Estamos ansiosos para aprender mais sobre vocês.