O brasileiro Gustavo Saldanha, de 8 anos, entrou para a Mensa, a maior e mais antiga organização de pessoas com alto QI do mundo. Gustavo tem 140 de QI (a média mundial é 100) e é o segundo brasileiro a fazer parte do clubinho de gênios — que já tinha Laura Buchele, de 9 anos, e 139 de QI.

Fã de carteirinha dos Beatles, o garoto tem um super talento para a música: além de tocar sete instrumentos, sabe também cantar e compor. Mas não é “só” isso. Sua genialidade também se estende à área de tecnologia. Gustavo também tem uma enorme facilidade para mexer em sistemas operacionais e, mesmo tão novo, já entende muito de computação.

Em entrevista ao G1, a mãe de Gustavo disse que, durante a pandemia, quando teve que parar de ir à escola presencialmente, o garoto passou a se interessar cada vez mais pelo mundo tecnológico. Em pouquíssimo tempo, aprendeu coisas surpreendentes para a idade.

“Em pouco tempo, meu filho já estava apaixonado pelas plataformas de reunião, como Zoom e Google Meet. Começou até a mexer nos sistemas operacionais e a transformar Windows em Mac”, disse Luciane Saldanha.

Apesar da genialidade precoce, a mãe do menino diz que nunca havia desconfiado que seu filho era excepcionalmente inteligente. Ainda bebê, Gustavo demorou três anos para a aprender a falar — tempo maior que a média das crianças.

Luciane ainda relembra que o filho era inquieto e muito curioso quando mais novo, e que em ambientes de brincadeira, tinha um interesse maior por coisas tecnológicas. “Na brinquedoteca, queria mexer na TV ou no interfone. Tinha interesses diferentes, mas nada que, para a família, fosse sinal de inteligência superior”, explicou.

Ao notar as habilidades do filho, os pais de Gustavo procuraram por um centro de apoio à criança com desenvolvimento intelectual acelerado em São Paulo, onde vivem. Daí, vieram os testes de QI e as orientações para lidar com a alta inteligência do garoto. O passo seguinte foi a candidatura do menino à Mensa internacional — já que a versão do clube no Brasil não aceita crianças.

Assine a newsletter do Gizmodo

Gustavo está no ensino fundamental de uma escola particular de São Paulo. O colégio foi orientado a ajudar o garoto a ter mais contato com a tecnologia, além de mais horas de aulas de música, para dar maior foco nas principais habilidades dele.

Apesar da pouca idade, Gustavo já tem promessa de bolsas de estudo na Logos University International (Unilogos), nos Estados Unidos.