Imagens de satélite tiradas no último final de semana mostram um novo iceberg de 267 quilômetros quadrados surgindo a partir da Geleira da Ilha Pine, na Antártida. O evento de separação não é uma completa surpresa, mas é um sinal preocupante em relação a um futuro aumento do nível do mar.

• O iceberg gigante da Antártida está começando a se desintegrar
• É por isso que o gelo marinho antártico diminuiu esse ano

A Geleira da Ilha Pine é a geleira de derretimento mais rápida da Antártida, responsável por um quarto da perda de gelo do continente, ou incríveis 45 bilhões de toneladas de gelo a cada ano. Imagens de satélite tiradas em 23 e 24 de setembro mostram um vão de água surgindo entre a plataforma de gelo e o iceberg, que tem cerca de quatro vezes o tamanho de Manhattan, com 267 quilômetros quadrados.

O novo iceberg parece bastante instável, produzindo uma leva de icebergs menores conforme se move devagar em direção ao mar. Ele, no entanto, não chega nem perto do tamanho daquele produzido pela plataforma de gelo Larsen C há alguns meses — um pedaço enorme de gelo que mede cerca de 5.800 quilômetros quadrados.

No sábado (23), o especialista em observação por satélite Stef Lhermitte, da Universidade de Tecnologia Delft, na Holanda, postou uma imagem tirada de um Sentinel1 do novo iceberg.

O Gizmodo entrou em contato com Christopher A. Shuman, pesquisador do Laboratório de Ciências Criosféricas do Centro de Voo Espacial Goddard, da NASA, que confirmou o evento de separação usando os satélites MODIS e Landsat 8.

A área drenada pela Geleira da Ilha Pine engloba aproximadamente 10% da camada de gelo da Antártida Ocidental, tornando-a uma participação geológica criticamente importante em termos de sua contribuição para o aumento do nível do mar. Esse é agora o terceiro grande evento de separação produzido por esse fluxo de gelo em quatro anos, com os outros acontecendo em 2013 (652 quilômetros quadrados) e em 2015 (582 quilômetros quadrados).

“Mas não é o tamanho dos icebergs que é o principal problema”, Shuman contou ao Gizmodo. “É o recuo geral progressivo da frente de gelo com as perdas de separação em 2013, 2015 e 2017, que é um recuo bastante rápido para qualquer geleira muito grande, especialmente uma tão ao sul da Antártida. Com a primeira perda de 2011, isso com certeza já não era um bom sinal.” Ele então acrescentou: “Essa não é uma perda tão grande quanto a de 2013, mas é um recuo adicional a partir do que um dia foi uma frente de gelo muito estável no início deste século”.

Shuman também confirmou que as fendas estão se formando no centro da geleira e se estendendo em direção às bordas. Isso significa que essas rachaduras estão se formando muito no interior, provavelmente como resultado de águas oceânicas quentes entrando em atrito com a base da geleira. Isso pode explicar por que os eventos de separação estão acontecendo com frequência maior (a velocidade do fluxo da geleira em direção ao mar está aumentando, agora indo a cerca de quatro quilômetros por ano) e por que a Geleira da Ilha Pine parece estar se afinando (a taxa de desbaste quadruplicou desde o meio dos anos 1990). Se essa taxa atual continuar, todo o tronco principal da geleira poderá estar flutuando em cerca de 100 anos.

A camada de gelo da Antártida Ocidental é separada do oceano por uma série de geleiras grandes, incluindo a da Ilha Pine. Essas geleiras estão segurando volumes tremendos de gelo, mas, como esses eventos recentes de separação mostram, talvez não por muito tempo.

Imagem do topo: Sentinel1