O governo dos EUA, para ser um pouco mais transparente e/ou confundir o cidadão comum com números, divulgou dois documentos para mostrar o alcance do programa da NSA (Agência de Segurança Nacional) para coleta de dados.

Esses documentos revelam que a NSA monitora 1,6% do tráfego mundial da internet, e analisa 0,00004% de todo o tráfego.

Parece tão pouco, não? É exatamente isso que os EUA querem que a gente pense. Eis os principais números:

De acordo com dados divulgados por uma grande empresa de tecnologia, a internet leva 1.826 petabytes de informação por dia. Em sua missão de inteligência estrangeira, a NSA acessa cerca de 1,6% desse total. No entanto, dos 1,6% dos dados, apenas 0,025% são realmente selecionados para análise.

O efeito líquido é que os analistas da NSA olham para 0,00004% do tráfego do mundo para conduzir sua missão – isso é menos do que uma parte em um milhão. Dito de outra forma, se uma quadra de basquete padrão representasse o ambiente global de comunicações, a coleta total da NSA seria representada por uma área menor do que uma moeda de dez centavos nessa quadra.

Menor que uma moedinha em uma quadra de basquete! E os documentos citam como o programa vem ajudando a impedir ataques terroristas (em 2009, evitou que uma bomba explodisse no metrô de Nova York).

No entanto, está bastante claro que a NSA usou percentuais para fazer o número real parecer menor: 1,6% da internet são quase 30.000 terabytes de dados por dia. Isso é muita coisa!

E segundo a empresa de banda larga Sandvine, entre 15% e 25% do tráfego de internet em vários continentes – América do Norte, Europa e Ásia – correspondem apenas ao YouTube. Ora, vídeos de gatos provavelmente não interessam tanto à NSA quanto, por exemplo, e-mails comprometedores – e estes pesam só alguns kilobytes, correspondendo (individualmente) a uma porcentagem bem baixa do tráfego de internet.

Por esses dois motivos, os números do governo americano tentam esconder algo que, depois dos vazamentos de Edward Snowden, está mais do que óbvio: você está sendo observado. [NSA via CNNVerge]