O Nubank tem cada vez mais diversificado sua atuação. O banco digital, que começou com um cartão de crédito sem anuidade, anunciou nesta sexta-feira (11) que comprou a Easynvest, uma plataforma para investimentos financeiros. Apesar da comunicação da aquisição, o valor da operação não foi revelado, e a negociação ainda está sujeita à aprovação de autoridades financeiras.

O movimento parece fazer sentido. O mercado de investimentos financeiros tem aumentado consideravelmente — é só notar a atuação de bancos estabelecidos e da XP, que abriu o capital no ano passado e recebeu um aporte bilionário. Sem contar que, com a taxa básica de juros baixa, as aplicações de renda variável passam a ser uma opção mais interessante.

Hoje, a Nuconta do Nubank oferece opções bem limitadas de investimentos — são basicamente aplicações em renda fixa da própria companhia. O saldo da conta fica aplicado em RDB emitidos pela própria instituição, que rendem 100% do CDI — taxa praticamente equivalente à Selic, que hoje está em 2% ao ano. Recentemente, a empresa começou a testar o Resgate Planejado, um investimento que rende mais, mas que “prende” o dinheiro do cliente até a data combinada.

De acordo com a B3, a bolsa de valor do Brasil, o número de CPFs cadastrados dobrou de 2019 para 2020. O dado mais atual é que, ao todo, o País conta com quase 3 milhões investidores pessoa física. Então, esta é uma área com muito potencial para crescimento, ainda mais considerando que somos 209 milhões de cidadãos.

É curioso quando comparamos esta presença na bolsa de valores com a população dos EUA. Segundo o instituto de pesquisa Gallup, 55% dos cidadãos do país detêm algum tipo de investimento no mercado de ações. Vale ressaltar que muitos deles estão ligado a economias de aposentadoria.

Segundo o anúncio, a Easynvest tem 1,5 milhão de clientes; já o Nubank, por sua vez, diz ter 30 milhões de clientes de conta digital e cartão de crédito.

“O mercado de investimentos no Brasil ainda é muito complexo, com produtos caros e muitas distorções. Quanto menos favorecido o cliente, piores são as opções de investimentos. (…) Encontramos na Easynvest um parceiro que compartilha dos mesmos valores e do propósito de democratizar o acesso aos serviços financeiros”, disse David Vélez, CEO do Nubank, em comunicado à imprensa.

Já Fernando Miranda, CEO da Easynvest, ressaltou a missão da empresa em comunicado. “Nosso principal objetivo sempre foi promover o acesso das pessoas a investimentos, para que pudessem ter o maior rendimento de seu dinheiro. Agora com o Nubank, poderemos potencializar esse propósito e levar os serviços para ainda mais pessoas no Brasil e América Latina.”

Por ora, o comunicado não fala nada em integração entre as plataformas, porém parece ser um movimento natural entre as empresas.