Se você já fez compras com cartão de crédito em lojas do exterior — seja pela internet ou durante uma viagem ao estrangeiro — deve ter visto uma cobrança chamada “Variação cambial” na sua fatura. Ela é a diferença entre a cotação da moeda estrangeira no dia do processamento da transação e no dia do pagamento da fatura. Se você é cliente do Nubank, entretanto, não verá mais lançamentos desse tipo na sua fatura, pois a empresa aboliu a prática.

NuConta, a “conta corrente” no Nubank, agora está disponível para todos
NuConta agora tem portabilidade de salário

Agora, todas as compras internacionais feitas com o cartão roxinho serão convertidas em reais usando a cotação da moeda no dia anterior ao processamento. Vale dizer que o processamento da compra ocorre, geralmente, em até sete dias úteis depois da compra. Ou seja, a cotação usada não é a do dia da compra. Mesmo assim, esse período é consideravelmente menor do que o intervalo de tempo até o fechamento da fatura, o que deve evitar grandes oscilações cambiais no período. Em tempos de forte alta da moeda americana e com mais turbulência à vista por causa do período eleitoral, a novidade parece ser muito bem-vinda.

O InfoMoney lembra que a medida se baseia em uma decisão do Banco Central tomada em 2016, que autoriza que a conversão seja feita dessa forma. De acordo com uma matéria da Folha de S.Paulo publicada em junho desse ano, só os cartões da Caixa ofereciam ao cliente a possibilidade de escolher essa forma de conversão. Em outros bancos, havia outras opções para fugir da oscilação cambial, como carregar o cartão com dólares a uma cotação pre-estabelecida ou antecipar o pagamento da fatura.

A fórmula para a conversão continua a mesma. O Nubank usa a taxa PTAX Venda, do Banco Central, para converter dólares em reais, com um acréscimo de 4% de spread. Além disso, compras no exterior incidem em cobrança de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6,38%.

[Nubank via InfoMoney]

Imagem: Vladimir Solomyani/Unsplash