Um relatório sombrio da Organização das Nações Unidas alerta que nuvens de gafanhotos descerão sobre a África Oriental nos próximos meses, no que poderia ser a pior infestação em um quarto de século. As pragas podem representar um sério risco para as plantações e os meios de subsistência na região.

“As nuvens atuais representam uma ameaça sem precedentes à segurança alimentar e meios de subsistência no Chifre da África”, declara um novo relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês).

O relatório observa que a nuvem pode se espalhar e criar uma “situação potencialmente ameaçadora nos dois lados do Mar Vermelho, onde a reprodução em andamento está causando um aumento no número de gafanhotos nas costas do Egito, Sudão, Eritreia, Arábia Saudita e Iêmen.”

Atualmente, o problema é “extremamente sério” no Quênia, Etiópia e Somália, onde os gafanhotos pousaram em números alarmantes. O relatório da FAO alerta que também há uma boa chance de que algumas nuvens possam se locomover para o nordeste de Uganda, sudeste do Sudão do Sul e sudoeste da Etiópia.

O número de gafanhotos pode aumentar 500 vezes até junho, informa a BBC. Segundo a FAO, os enxames podem conter até 150 milhões de gafanhotos por quilômetro quadrado.

Um único quilômetro quadrado cheio de gafanhotos pode consumir o mesmo que 35 mil pessoas em um dia, segundo a FAO. Gafanhotos adultos podem comer seu próprio peso — cerca de dois gramas — de vegetação fresca e viajar mais de 150 quilômetros em um período de 24 horas.

As fortes chuvas no final de 2019 são a principal causa dos gafanhotos incomumente abundantes. Dados do Instituto Internacional de Pesquisa para Clima e Sociedade mostram que partes da África Oriental e da região do Sahel receberam até 380 milímetros a mais de chuva do que o normal nos últimos três meses de 2019.

Temperaturas mais quentes que o normal — uma das características mais marcantes das mudanças climáticas — também podem contribuir nuvens de gafanhotos do deserto. Medidas de mitigação e ajuda internacional provavelmente serão necessárias para lidar com a situação, pois há risco de maior insegurança alimentar e desnutrição nas regiões afetadas.

Essa notícia não poderia ser pior para uma região que ainda está se recuperando de condições climáticas extremas. Um fenômeno climático conhecido como Dipolo do Oceano Índico (IOD) resultou em um oceano Índico ocidental mais quente do que o habitual. Essa condição meteorológica torna mais provável a formação de fortes chuvas e tempestades na costa da África Oriental. E, de fato, nada menos que oito ciclones se formaram na bacia no ano passado.

Moçambique foi o país mais atingido pelos ciclones Idai e Kenneth, que causaram inundações generalizadas. As fortes chuvas vieram depois que os agricultores da África Oriental sofreram com vários anos de seca. O fato de esses gafanhotos agora estarem prontos para descer na época da colheita é realmente trágico.

Gafanhotos em um galho de árvore na vila de Katitika, Quênia, em 24 de janeiro de 2020. Imagem: AP

Taxas alarmantes de postura e incubação de ovos de gafanhoto foram relatadas na Arábia Saudita e em outros lugares, dando origem à ameaçada grandes grupos de insetos. Também estão se formando nuvens na costa do Mar Vermelho, no Iêmen, e alguns gafanhotos foram registrados no leste da África no mês passado.

As nuvens subsequentes devem ser as piores na Etiópia e Somália em cerca de 25 anos e a pior no Quênia em 70 anos, segundo a FAO, e a situação permanecerá séria até junho de 2020. O problema pode se deteriorar ainda mais ao longo do ano, devido à reprodução de gafanhotos no Irã e ao longo da fronteira Índia-Paquistão.

Em seu relatório, a FAO recomenda que os países em risco pesquisem e monitorem de perto a situação e que ampliem suas medidas de controle aéreo, usando aeronaves para pulverizar inseticidas. A agência também diz que os países devem prever escassez de alimentos, entre outras recomendações.

Pode levar vários anos e centenas de milhões de dólares para a África Oriental se recuperar dessa infestação, o que também pode infligir “graves conseqüências à segurança alimentar e aos meios de subsistência”, segundo a FAO.

A ameaça de uma crise de proporções bíblicas infelizmente é mais uma péssima notícia em um ano que, embora ainda esteja no começo, já teve assustadores incêndios florestais na Austrália e um terrível surto de coronavírus na China.