Acontece todos os anos, mas isso não diminui a importância: a humanidade mais uma vez estabeleceu um novo ponto alto para emissões de dióxido de carbono na atmosfera.

Os níveis de dióxido de carbono ficaram na média de 417,1 partes por milhão (ppm) para o mês de maio no Observatório Mauna Loa, considerado o maior padrão para medições de carbono. O número supera o pico do ano passado de 414,7 ppm, que superou o pico de 2018 de 411,2 ppm e, bem, você já deve ter entendido.

Todos esses níveis são inéditos na história da humanidade. A cada ano que continuamos a depender dos combustíveis fósseis, mais altos e mais perigosos serão os níveis de poluição de carbono.

O nível do dióxido de carbono na atmosfera segue um padrão sazonal, oscilando para cima a partir do final do outono do hemisfério norte e início da primavera, quando a vegetação morre e libera carbono na atmosfera à medida que se decompõem.

Do verão ao início do outono, as plantas iniciam um novo ciclo e sugam esse carbono de volta, retirando-o da atmosfera. Esse padrão foi diminuído, no entanto, devido às atividades humanas que emitem mais carbono do que as plantas, o oceano e outros meios.

A manutenção de registros no Mauna Loa começou no final da década de 1950, época em que os seres humanos estavam queimando combustíveis fósseis com afinco. Cada ano do registro coincide com um novo pico e o ritmo se acelerou à medida que o uso de combustíveis fósseis também foi aumentando. Os últimos 20 anos foram responsáveis por 40% de todas as emissões de carbono ligadas apenas às atividades humanas.

O resultado é uma atmosfera fora de sintonia, empurrada pelas restrições das condições que permitiram que a sociedade florescesse.

Você teria que voltar muito no tempo para encontrar uma atmosfera como essa que está no mundo agora. Na verdade, a última vez que o dióxido de carbono atmosférico esteve tão alto foi há 3 a 5 milhões de anos, em uma versão deste mundo que hoje acharíamos irreconhecível. O nível do mar era até 20 metros mais alto, todos os tipos de animais estranhos vagueavam pela Terra e era até 3,6 graus Celsius mais quente do que as temperaturas pré-industriais. Ah, e nenhum humano.

Agora, temos uma atmosfera como essa novamente. A Terra leva um tempo para se ajustar a qualquer movimento do sistema climático e está respondendo à explosão de dióxido de carbono. O planeta já aqueceu 1 grau Celsius e vimos o nível do mar subir, o clima se tornar mais intenso e os mares se tornarem ácidos.

Embora tenha havido uma queda nas emissões de carbono este ano devido ao coronavírus e à consequente desaceleração econômica, isso não é suficiente virar a maré – e não é dessa forma que devemos cortar as emissões de qualquer maneira.

Mesmo com a queda, o mundo ainda vai estabelecer um novo recorde de dióxido de carbono no próximo ano. Somente quando as emissões chegarem a zero é que os recordes deixarão de vir.