Será que contratar John Sculley, que vendia refrigerantes e salgadinhos na Pepsico, foi o maior erro que Steve Jobs já cometeu? Sculley agora acredita que sim, mas eu discordo.

Olhando para trás, foi um grande erro eu ter sido contratado como CEO. Eu não era a primeira escolha que Steve queria tornar CEO. Ele era a primeira escolha, mas a diretoria não estava preparada para torná-lo diretor quando ele tinha 25, 26 anos.

(…)

Eles foram e me recrutaram. Eu cheguei sem saber nada sobre computadores. A ideia era que Steve e eu trabalharíamos como parceiros. Ele seria a pessoa técnica, e eu seria o cara de marketing.

O motivo pelo qual eu disse que foi um erro de me contratarem como CEO é que o Steve sempre quis ser CEO. Teria sido muito mais honesto por parte da diretoria se eles tivessem dito, "Vamos arranjar um jeito de torná-lo CEO. Você pode focar nas coisas em que você contribui, e ele foca nas coisas em que ele contribui mais."

É uma supresa ver John Sculley dizer essas palavras, especialmente para quem leu o livro Odisseia, da Pepsi à Apple. No livro, ele justifica tudo o que aconteceu quando ele mudou para Cupertino.

Mas eu não acho que ter contratado Sculley tenha sido um erro, de forma alguma. Na verdade, eu acho que foi ótimo pro Steve Jobs. Depois que ele foi basicamente demitido da Apple, Jobs aprendeu mais durante seus anos no purgatório – o sonho estilhaçado do NeXT e a quase morte da Pixar – do que em qualquer outro período da vida dele. Não sobre tecnologia e marketing, mas sobre os fracassos que nos tornam humanos.

Algumas das mudanças na Apple foram para melhor. Algumas, para pior. E talvez as coisas que realmente precisavam mudar na verdade nunca mudaram. Mas o fato é que a Apple não estaria onde está hoje sem Sculley. Tanto por tirar o Steve Jobs da própria empresa que ele criou – para depois retornar e inaugurar uma nova era de inovação – como por fazer a Apple seguir novos rumos – como o fracassado Newton, que acabou levando aos bem-sucedidos iPhone e iPad.

Você pode ler mais sobre o que John Sculley tem a dizer no Cult of Mac.