Desde o surgimento do Bitcoin, em 2008, a tecnologia blockchain vem ganhando atenção pela possibilidade de ser utilizada em diversas aplicações, indo muito além do mundo das criptomoedas.

Em resumo, a blockchain é um banco de dados codificado e distribuído que registra, autentica, criptografa e armazena dados sobre transações. Atualmente, ela é mais usada como uma espécie de livro razão digital das operações realizadas com moedas digitais, mas a tecnologia pode ser configurada para qualquer tipo de transação online, não apenas financeiras.

Por exemplo, a rede blockchain tem potencial para ser usada em cartórios para validar documentos, autenticar votos em uma eleição ou mesmo substituir os atuais contratos em papel. Com a emergência da Web3, a blockchain também pode ser usada para armazenar dados pessoais de forma mais segura, proporcionando mais privacidade para os usuários de redes sociais e outras plataformas na internet.

Mercado da blockchain está aquecido

Diante do aumento gradual de aplicações que utilizam a rede blockchain, é natural que as empresas passem a procurar por profissionais especializados nesta tecnologia.

Segundo um estudo da Brasscom, somente a área de blockchain deve criar mais de 35 mil novas vagas de emprego no Brasil até o ano de 2025. A boa notícia é que o mercado está enfrentando escassez de mão de obra qualificada, o que pode ser visto como uma oportunidade para profissionais que tem interesse em se especializar na área.

Para quem quer conhecer mais sobre a tecnologia, a escola IGTI realizou um webinar gratuito (disponível aqui), onde exemplifica os diversos cenários de uso da tecnologia blockchain.

E, para quem já tem uma formação em Análise em Desenvolvimento de Sistemas, Ciências da Computação ou, até mesmo, Estatística, e quer se aprofundar na área, a IGTI também oferece um curso imersivo internacional em tecnologias disruptivas (link aqui), que conta com um professor especializado em blockchain. O curso começa em junho e terá duração de 8 semanas.