As primeiras imagens com cores captadas pelo Telescópio Espacial James Webb (JWST) vão vir à público no dia 12 de julho. Até então, cientistas haviam adiantado apenas que as fotografias mostrariam a capacidade máxima do maquinário, e iriam deixar os terráqueos de boca aberta. No entanto, os alvos dos “cliques” ainda não haviam sido informados. 

Em uma coletiva de imprensa no Space Telescope Science Institute em Baltimore, nos EUA, pesquisadores deram dicas extras do que podemos esperar das primeiras imagens. O número de imagens que serão publicadas não foi confirmado, mas teremos dentro dessa primeira leva a imagem mais profunda já tirada do nosso universo.

A informação foi dada por Bill Nelson, administrador da NASA. “Isso está mais longe do que a humanidade jamais olhou antes, e estamos apenas começando a entender o que Webb pode fazer — e fará”, acrescentou o cientista. 

Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da NASA, teve acesso aos registros, e também deu alguns spoilers do que podemos esperar. De acordo com o pesquisador, será divulgado no dia 12 de julho o primeiro espectro de um exoplaneta feito pelo telescópio. Dados do tipo apontam para a química do planeta, o que deve ajudar cientistas a estudar sua formação rochosa. 

Esse é apenas o começo. Embora a missão Webb tenha sido planejada para durar 10 anos, o telescópio possui combustível suficiente para operar por 20 anos. Durante esse período, o James Webb deve revelar imagens das primeiras galáxias e estrelas criadas no universo, olhando para até 13,5 bilhões de anos no passado.