Na última sexta-feira, o presidente Donald Trump se escondeu em um bunker subterrâneo abaixo da Casa Branca, enquanto centenas de manifestantes protestavam em Washington contra a brutalidade policial — as manifestações começaram em Minneapolis depois que um policial branco matou George Floyd, um negro de 46 anos que estava algemado no chão. Infelizmente, não temos fotos de Trump indo para o bunker, mas temos fotos antigas do que provavelmente foi a última vez que ele foi usado: 11 de setembro de 2001.

O bunker da Casa Branca, oficialmente conhecido como Centro Presidencial de Operações de Emergência, foi construído no início da década de 1940 durante a Segunda Guerra Mundial, durante a administração de Franklin Delano Roosevelt. O presidente Harry Truman, que sucedeu Roosevelt, reformulou a Casa Branca em 1948 e expandiu o bunker subterrâneo enquanto estava lá.

O bunker foi usado pela equipe da Casa Branca após os ataques de 11 de setembro de 2001, e não há indicação que tenha sido usado nos 19 anos desde então. Até onde sabemos, o presidente Barack Obama nunca usou o abrigo subterrâneo, apesar dos protestos generalizados na capital organizados pelo chamado Tea Party durante seu mandato. Há especulações, no entanto, de que o bunker tenha sido aprimorado entre 2010 e 2012, quando US$ 375 milhões foram gastos para atualizar alguma coisa na Casa Branca.

Centro Presidencial de Operações de Emergência. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA/FlickrCentro Presidencial de Operações de Emergência. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA/Flickr

Foram liberadas fotos do bunker em 2015 e 2016 pelos Arquivos Nacionais dos EUA (U.S. National Archives), que nos dão uma ideia de como são as instalações subterrâneas, pelo menos quando os funcionários da Casa Branca fugiram para lá após os ataques de 11 de setembro que destruíram o World Trade Center em Nova York e danificaram o Pentágono, em Washington, em 2001.

Condoleeza Rice na mesa do Centro Presidencial de Operações de Emergência. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUACondoleeza Rice na mesa do Centro Presidencial de Operações de Emergência. Crédito: Getty Images/Arquivos Nacionais dos EUA

O bunker está posicionado embaixo da ala leste da Casa Branca, e é aí que a equipe sênior da Casa Branca ficou no 11 de setembro. O presidente George W. Bush estava na Flórida na época dos ataques terroristas, mas membros da equipe, como a assessora de segurança nacional Condoleeza Rice e o vice-presidente Dick Cheney podem ser vistos nas fotos falando sobre estratégias na sala.

Vice-presidente Dick Cheney ao telefone. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA
Vice-presidente Dick Cheney ao telefone. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA/Flickr

De acordo com o livro de 2008 Test by Fire: The War Presidency of George W Bush, escrito por Robert Swansbrough, Cheney foi “literalmente carregado” por agentes do Serviço Secreto para o bunker depois que ficou óbvio que os ataques ao World Trade Center em Nova York não foram acidentais. O medo era que outro avião provavelmente fosse colidir com a Casa Branca. Não está claro se o presidente Trump foi carregado até o bunker na sexta-feira.

Centro Presidencial de Operações de EmergênciaCentro Presidencial de Operações de Emergência em 11 de setembro de 2001. Crédito: Arquivos Nacionais do EUA/Flickr

O protocolo manda que os familiares imediatos sob a proteção do Serviço Secreto sejam levados ao bunker, o que foi feito com a primeira-dama Laura Bush em 11 de setembro, apesar de o marido estar fora da cidade. Ela descreveu como era entrar no bunker em suas memórias lançadas em 2010:

Fui empurrada para dentro e desci escadas até algumas portas de aço que se fecharam atrás de mim com um assobio alto, formando uma vedação hermética. Eu estava agora em um dos corredores subterrâneos inacabados embaixo da Casa Branca, rumo ao PEOC, o Centro Presidencial de Operações de Emergência, construído para o presidente Franklin Roosevelt durante a Segunda Guerra Mundial. Caminhamos pelo velho piso de ladrilhos com canos pendurados no teto e todo tipo de equipamento mecânico. O PEOC foi projetado para ser um centro de comando durante emergências, com televisões, telefones e instalações de comunicação.

Fui conduzida à sala de conferências adjacentes para o centro nervoso do PEOC. É uma pequena sala com uma mesa grande. A conselheira de segurança Condoleeza Rice, a conselheira do presidente Josh Bolten e Dick e Lynne Cheney já estavam lá desde a manhã. Lynee, cujos agentes a trouxeram para a Casa Branca logo após o primeiro ataque, se aproximou e me abraçou. Então, ela disse baixinho no meu ouvido: “O avião que atingiu o Pentágono circulou primeiro pela Casa Branca”.

Vice-presidente Dick Cheney em pé durante o 11 de setembro de 2001. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA
Ex-vice-presidente Dick Cheney em pé durante o 11 de setembro de 2001. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA

O Serviço Secreto até queria que os Bushs dormissem no abrigo subterrâneo naquela noite depois que o presidente chegou da Flórida à noite.

Às 19h10 daquela noite, George entrou no PEOC. No início da tarde, ele havia feito uma videoconferência segura da Base da Força Aérea de Offutt, em Nebraska, com os diretores da CIA e do FBI, bem como os chefes das Forças Armadas e o vice-presidente e sua equipe de segurança nacional, dando instruções e recebendo instruções sobre as últimas informações do assunto. Por causa das objeções do Serviço Secreto, ele insistiu em voltar para casa. Nos abraçamos e conversamos um pouco com os Cheney. Em seguida, o Serviço Secreto sugeriu que passássemos a noite lá, abaixo do solo. Eles nos mostraram a cama e um lençol que parecia estar lá desde quando Roosevelt era presidente.

George e eu olhamos para ele e dissemos não, com o George acrescentando “nós não vamos dormir aqui. Vamos subir as escadas e vocês nos pegam se algo acontecer”, disse ele. “Preciso dormir e tem de ser na nossa cama.” George estava se preparando para falar com a nação no Salão Oval, para tranquilizar a todos e mostrar que o presidente estava em segurança em Washington, pronto para responder.

A primeira-dama Melania Trump e Barron, filho do casal, provavelmente também foram levados para o bunker na sexta-feira, segundo a CNN, que conversou com duas fontes familiarizadas com os movimentos da família presidencial no fim de semana. Não está claro se alguma outra equipe do presidente se juntou à família para se esconder dos protestos.

Presidente George W. Bush ao centro. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUAEx-presidente George W. Bush ao centro. Crédito: Arquivos Nacionais dos EUA/Flickr

O presidente Trump fez vários tuítes depois de sair do bunker, ameaçando designar “ANTIFA” como uma organização terrorista. Antifa, que significa antifascista, é um movimento sem liderança de pessoas que se opõem ao fascismo, e é improvável que Trump possa legalmente designar uma organização doméstica como ameaça terrorista.

Provavelmente, não veremos fotos de Trump no bunker por muitos anos. O regime de Trump destruiu sistematicamente registros oficiais da sua administração, de acordo com várias reportagens, e não há como dizer quantas fotos e documentos nos bastidores desta época podemos eventualmente ver.

O presidente não tem planos para se dirigir à nação, com protestos em pelo menos 140 cidades dos EUA. Mas é provável que isso seja melhor para ele durante este período de crise nacional. Com policiais se revoltando nas ruas e Trump claramente tentando alimentar a agitação, há risco de ele causar mais danos que benefícios a essa altura.