Talvez você tenha uma TV LCD superfoda de 240Hz. Tecnicamente, essa taxa de atualização deveria suportar o novo sinal Blu-ray FHD3D (full 3D HD). Mas não consegue, e este diagrama (do site HDGuru3D) explica o porquê — sua TV não consegue devido à forma como a informação é enviada a ela.

Isso se chama over/under, e em vez de uma só imagem 1920×1080 ser enviada do Blu-ray para a HDTV, é uma imagem dupla, com resolução 1920×2205, representando os quadros do olho direito e esquerdo, com blanking ativo para o audio e informações a mais. O sinal é enviado a um bitrate de 6,75Gbps.

Resumo: aquela TV chique da sua casa não foi pensada para acomodar uma imagem de 1920×2205 pixels.

O bitrate FHD3D é um ponto importante, no entanto, porque enquanto muitos dizem que o padrão HDMI 1.4 é necessário para o FHD3D, isso não é inteiramente verdade. Tanto o HDMI 1.3 como o 1.4 tem taxa de saída de 10,2Gbps. Por causa dessa regra básica de largura de banda, os dispositivos com HDMI 1.3 mais espertos que, em vez de sistemas-em-um-chip, usam software para a decodificação do vídeo — como o PlayStation 3 — poderão fazer a transição para o FHD3D.

Como Gary Merson do HDGuru explica, "Não há nada inerente no HDMI 1.3 que proibiria sinais FHD3D de passarem [do dispositivo para a TV]".

Se você curte bastante a ideia de home theaters, eu recomendo que você visite este guia sobre a tecnologia 3D, o novo padrão HDMI 1.4 e o que isso vai representar para diferentes dispositivos (e até mesmo para os cabos!) no seu sistema. Porque ficar jogado no sofá vendo TV ficou bem mais complicado. [HDGuru]