Realidade Virtual é ainda algo complicado. Dispositivos como o Rift e o Vive provaram que o mundo imersivo virtual já está ao nosso alcance, mas pouca gente liga para isso. O problema é que os headsets de realidade virtual ainda têm “arestas ásperas”. Eles não são precisos o suficiente e ainda são caros para a maioria das pessoas. Mas, com o novo Oculus Quest, o Facebook acha que pode resolver alguns dos problemas dessa tecnologia.

8 usos da realidade virtual que vão além dos videogames
[Review] Samsung Gear VR: a realidade virtual promete muito, mas ainda é para poucos

Inicialmente chamado de Santa Cruz, o Quest é um headset high-end de realidade virtual de que a companhia tem dado amostras desde 2016. Diferentemente do PS VR ou de um Vive Pro, o Quest é independente — na prática, isso significa que não tem fios para você tropeçar e não tem necessidade de um computador para “fornecer” processamento gráfico. O Quest irá também funcionar com os softwares anteriores da Oculus, então, no lançamento, conteúdo não deve ser um problema para a plataforma.

A Oculus vai incluir dois controles Rift Touch com o Quest com o objetivo de fornecer um método familiar e consistente de interagir com os objetos em um espaço virtual. O Quest também conta com seis degraus de liberdade, então não só você pode balançar a cabeça para olhar as coisas, como o headset consegue monitorar seus movimentos de cabeça (e talvez do seu corpo), de modo que você poderá aproveitar a experiência utilizando um aparelho que não exige fios. Diante de tudo isso, chama a atenção o preço sugerido do Quest: US$ 400.

Esse é o mesmo preço do bundle à venda com o Rift, US$ 100 mais barato que o Vive, da HTC; e US$ 400 mais barato que o Vive Pro — isso sem contar os PCs superequipados que ajudam a fornecer a experiência com esses dispositivos. Com um preço mais acessível e sem a necessidade de um computador caríssimo, a Oculus espera que dez milhões de pessoas invistam em seu ecossistema. Nesse momento, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que a Oculus deveria se tornar uma plataforma autossustentável que vai gerar receita para desenvolvedores, mantendo um ecossistema rico em conteúdos de realidade virtual.

Infelizmente, durante o anúncio do Quest na Oculus Connect 5 (conferência de desenvolvedores da empresa), Zuckerberg não mencionou as especificações ou os detalhes ópticos do dispositivo. No comunicado da empresa à imprensa, só é mencionada a resolução 1.600 x 1.400 e o fato de que ele conta com armazenamento de 64 GB. E, para tornar o assunto ainda mais esquisito, parece que o Quest não vai ser vendido até a primavera no hemisfério norte (entre março e junho) de 2019.

Imagens: Oculus