A Organização Mundial da Saúde (OMS) acaba de declara nesta quarta-feira (11) pandemia de coronavírus (COVID-19).

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, afirmou que a nova classificação apenas caracteriza o atual surto, mas que isso não muda a forma como a organização vai conduzir as medidas de combate ao vírus, além de instruir os países a adotarem estratégias mais agressivas.

Um ponto reforçado durante a coletiva de imprensa é que a palavra “pandemia” deve ser utilizada com muito cuidado, de forma a não desencorajar as tentativas de combater o vírus. A OMS ainda afirma que haverá um aumento no número de casos, mortes e países atingidos pelo COVID-19 nos próximos dias.

A organização afirma que no momento é necessário dedicar esforços para detectar, proteger, tratar, reduzir a transmissão, inovar e aprender. Em relação às medidas de isolamento, Ghebreyesus disse que cada país tem tomado decisões de acordo com a situação local e que tal solução pode não ter um impacto tão grande em países com um menor número de casos.

O levantamento mais recente da OMS indica um total de 118 mil casos em 114 países, com 4.291 mortes. No Brasil, há 36 casos confirmados, 893 suspeitos e 780 descartados.

[G1]