Uma onda de calor extremo, com temperaturas atingindo 48°C, já matou pelo menos 1.118 pessoas durante a última semana na Índia, onde o ar quente, o asfalto derretido e tempestades de poeira estão tornando a vida quase insuportável.

Os sem-teto, funcionários de construção civil, recém-nascidos, crianças, jovens e idosos estão em maior risco. Só no estado de Andhra Pradesh, onde as temperaturas subiram para 47°C na segunda-feira, 852 pessoas morreram. No estado vizinho de Telangana, 266 pessoas faleceram na última semana quando as temperaturas bateram 48°C, segundo a BBC.

Os hospitais estão com dificuldades para tratar vítimas de desidratação, cãibras de calor, exaustão e insolação, e dezenas de milhares de pessoas estão sofrendo com cortes de energia – a rede elétrica está sobrecarregada. A Autoridade Nacional de Gestão de Desastres (NDMA) aconselha as pessoas a ficar em casa, usar roupas folgadas e beber água, mesmo que não estejam com sede.

As ondas de calor não são incomuns entre março e junho no sul da Ásia, mas especialistas apontam para a mudança climática a fim de explicar as condições mais extremas nesta parte do ano, e preveem ondas de calor mais longas e mais intensas na região.

A falta de chuvas, combinada a ventos quentes e secos do estado desértico de Rajasthan, são responsáveis ​​pela onda de calor recente, dizem meteorologistas. Eles não esperam que as condições melhorem até a chegada da monção em junho.

Até então, as maiores temperaturas em Nova Déli, que abriga 23 milhões de pessoas, podem permanecer em torno de 45°C, de acordo com Prakash Yadav Brahma, diretor do Departamento Meteorológico Indiano. A galeria a seguir mostra estas condições chocantes:

Primeira foto via Instagram