Os últimos dias têm sido agitados para o OnlyFans, que na semana passada anunciou que estaria banindo conteúdo sexualmente explícito. Pois é, estaria, já que, nesta quarta-feira (25), a plataforma voltou atrás nessa decisão e que criadores de conteúdo adulto poderão continuar postando material explícito no serviço, sem qualquer tipo de restrição.

“Agradecemos a todos por fazer que vozes sejam ouvidas. Conseguimos as garantias necessárias para apoiar nossa comunidade diversa de criadores de conteúdo e suspendemos as mudanças de política previstas para 1° de outubro. O OnlyFans apoia a inclusão e continuaremos sendo um lar para todos os criadores de conteúdo”, escreveu a companhia em sua conta oficial no Twitter. A empresa ainda disse que um e-mail com mais detalhes será enviado aos criadores da plataforma.

Tudo continua o mesmo

É difícil afirmar com clareza o que teria feito o OnlyFans mudar tão repentinamente em algo que parecia acertado há meses pela empresa. Mas alguns indícios recentes apontam que o movimento teria acontecido pela insatisfação de bancos e parceiros financeiros, que não eram favoráveis a material pornográfico explícito. Por conta disso, a plataforma iria retirar qualquer conteúdo dessa categoria a partir de outubro. Depois, somente fotos de nudez seriam permitidas.

O próprio CEO do OnlyFans, Tim Stokely, culpou grandes instituições financeiras pela proibição de conteúdo explícito no serviço, entre eles o JP Morgan Chase, o Mellon’s Bank of New York e o Metro Bank. “As mudanças nas políticas aconteceram porquanto tivemos escolha. A resposta curta é: os bancos”, contou o executivo em entrevista ao Financial Times. Anteriormente, acreditava-se que outras empresas financeiras, entre elas a Mastercard, é quem estavam dificultando a permanência de criadores de conteúdo pornográfico no site.

Assine a newsletter do Gizmodo

OnlyFans vai priorizar conteúdos mais brandos

Ainda que o OnlyFans tenha mantido a pornografia explícita em sua plataforma, isso não significa que a companhia desistiu de investir em canais que não promovem conteúdo adulto. Há alguns dias, a empresa lançou o OFTV, um aplicativo que reúne tudo o que você veria em uma rede social tradicional, com vídeos e sugestões de criadores que não têm a pornografia como foco principal. A nudez ainda é permitida na ferramenta, desde que seja “comportada”.

Atualmente, o OnlyFans conta com mais de 2 milhões de criadores, que produzem conteúdos vistos e assistido por mais de 130 milhões de usuários. Em 2020, a receita do site chegou a US$ 2 bilhões.

[OnlyFans]