Três anos atrás, uma câmera a bordo do Lunar Reconnaissance Orbiter (Orbitador de Reconhecimento Lunar, “LRO”, na sigla em inglês) foi atingida por um minúsculo meteoroide enquanto capturava uma imagem da superfície lunar. Estudando os padrões de ziguezague resultantes, cientistas conseguiram estimar a velocidade e o tamanho do objeto que atingiu o equipamento.

• Missão Juno acaba de lançar sua primeira grande leva de resultados científicos sobre Júpiter
• O mais misterioso dos planetas do TRAPPIST-1 finalmente revela alguns segredos

Desde 2009, o LRO, da NASA, tem diligentemente coletado informações sobre a superfície da Lua. Para fazer seu trabalho, a sonda está armada com três câmeras, incluindo duas Narrow Angle Cameras (Câmeras de Ângulo Estreito, ou “NACs”, na sigla em inglês) que capturam imagem em preto e branco em alta resolução. Normalmente, essas imagens são cruas e bastante claras, mas uma imagem tirada em 13 de outubro de 2014 exibiu padrões visuais incomuns.

avy51rxet8idmb62hyy9

Imagem: NASA’s Goddard Space Flight Center/Arizona State University

As NACs trabalham construindo uma imagem linha a linha. Uma imagem completa consiste de milhares de linhas individuais, que são capturadas em grande velocidade conforme o LRO se move sobre a superfície lunar. A aparição na imagem de 13 de outubro, de acordo com a NASA, foi causada por “uma repentina e extrema oscilação perpendicular” na NAC da esquerda. Em outras palavras, a câmera teve um rápido e violento movimento enquanto tirava uma foto, movendo-se bastante pra lá e pra cá antes de se recompor.

Cientistas da NASA disseram que isso não poderia ter sido causado por movimentos de painel solar ou de rastreamento de antenas. “Mesmo que pudesse, a agitação resultante teria afetado as duas câmeras identicamente”, disse o investigador principal da NASA Mark Robinson, em um comunicado. “A única explicação lógica é que a NAC foi atingida por um meteoroide.”

fdlfstoicq6ou9uq4lvn

A Narrow Angle Camera antes de ser instalada (Imagem: Malin Space Science Systems/Arizona State University)

Claramente, o meteoroide era grande o bastante para causar o efeito visual, mas não o suficiente para tornar inoperável o satélite ou sua câmera. A equipe de Robinson ficou curiosa para saber o tamanho do objeto. Então, analisou dados coletados quando o LRO estava passando por testes vibracionais. Armados com essa informação, os cientistas executaram simulações de computador para ver se conseguiam replicar as distorções. A NASA estima que o meteoroide tinha cerca de metade do tamanho de uma cabeça de alfinete (0,8 milímetro) e estava viajando a uma velocidade de aproximadamente 7 km/s. Isso é mais rápido que uma bala após ser disparada. A agência espacial suspeita que o meteoroide tenha atingido o radiador da câmera, que mantém o dispositivo resfriado.

“Já que o impacto apresentado não causou problemas técnicos para a saúde e a segurança do instrumento, a equipe está anunciando só agora esse evento como um exemplo fascinante de como a engenharia de dados pode ser usada, de maneiras não previstas anteriormente, para entender o que acontece a uma sonda voando 380 mil quilômetros acima da Terra”, disse John Keller, cientista de projeto do LRO, do Centro de Voos Espaciais Goddard, da Nasa, em Maryland.

Ainda bem que eventos como esse são excepcionalmente raros. Que tenha acontecido enquanto o LRO tirava uma foto da Lua é ainda mais raro. Não tenha pressa para apreciar a imagem, pode levar algum tempo antes que vejamos algo assim acontecer novamente.

[NASA Goddard]

Imagem do topo: NASA’s Goddard Space Flight Center/Arizona State University