2021 está acabando e os gamers de todo mundo vão preparando suas relações de melhores do ano. É o caso da lista feita pela revista americana Paste Magazine, que tem uma editoria dedicada e especialista no assunto.

Quando realmente consideramos os jogos de 2021, algo notável se destaca. Os melhores jogos do ano foram novas parcelas de séries anteriores enraizadas em gêneros antigos, apenas com uma profundidade psicológica e emocional que normalmente não esperaríamos de jogos do passado”, explica a revista na matéria que elege os melhores games de 2021.  

Segundo relato da revista, “‘Psychonauts 2’ construiu a estrutura emocional do original de 2005 e explorou as memórias, sentimentos e arrependimentos de seus personagens mais velhos. ‘Ratchet & Clank: Rift Apart’ usou seus mascotes de desenho animado para examinar a dúvida, a solidão e a ansiedade com charme, sagacidade e coração”.

“’Metroid Dread’ uma veia de terror que desapareceu gradualmente da série Metroid ao longo das décadas, trazendo-o de volta com mais poder do que antes. Estes não são os únicos jogos memoráveis ​​e emocionantes do ano, mas são os melhores, e é por causa da maneira como nos fazem sentir –não apenas a satisfação física e intelectual de jogá-los, mas a maneira como tocam nossos corações e mentes”, completa a publicação.

A Paste fez uma lista completa com os 30 melhores jogos de 2021, além de destacar os equipamentos e plataformas necessárias para jogar. Separamos os dez melhores.

Confere aí: 

1 – Ratchet & Clank: Rift Apart

Plataforma : PlayStation 5

A primeira razão real para possuir um PlayStation 5, Ratchet & Clank: Rift Apart” é um embelezamento em uma fórmula que funcionou por 19 anos. É chamativo e charmoso. Não se leva muito a sério, mas com certeza vai mergulhar em falar sobre trauma e deficiência, e abordar questões de pertencimento e síndrome do impostor de maneiras que são simples o suficiente para falar com as crianças, mas honestas o suficiente para ressoar com os adultos. E às vezes, consegue ser surpreendentemente engraçado, apesar de ser totalmente previsível, tropa de tricô a tropa em uma tapeçaria envolta em mais tropos. É um jogo simples, mas surpreendentemente sério e compassivo. O que carrega essa grande farsa de ficção científica chamativa e ajuda a elevá-la de uma simples farsa é esse charme e humanidade. “Ratchet & Clank: Rift Apart” é o coração que os Guardiões da Galáxia jamais poderiam encontrar. Dia Lacina

2 – Psychonauts 2

Plataformas : Xbox Series X | S, PC, Xbox One, PlayStation 4

“Psychonauts 2” parece um jogo feito por pessoas reais que se preocupam com pessoas reais. Muitos jogos caíram no pique nos últimos anos com foco no estado psicológico de seus personagens e, portanto, de seus jogadores, mas muitas vezes falta-lhes qualquer tato ou percepção legítima de como as pessoas pensam e sentem. Eles usam a tristeza e a violência como atalhos, contando com sustos baratos e provocações fáceis. É como se fossem feitos por máquinas, ou pela sala da diretoria, ou algum algoritmo que reorganiza ligeiramente os hits AAA anteriores em algo supostamente novo. Muitos desses jogos caem na armadilha estúpida de pensar que algo “sério” e “importante” também deve ser sem humor e sombrio, implacavelmente sombrio e fatalista. Psiconautas 2 revela isso pelo absurdo que é, mostrando que você pode representar a emoção de forma mais poderosa e realista quando usa cordialidade, humor, humanidade – todo o escopo das emoções que nos tornam quem somos. “Psychonauts 2” pergunta “como é a sensação?” E, em seguida, mostra a resposta para nós – e para a indústria de jogos em geral – em cores brilhantes. – Garrett Martin

3 – Metroid Dread

Plataforma : Switch

O primeiro jogo Metroid de rolagem lateral inteiramente novo em quase duas décadas captura o que torna Super Metroid um clássico atemporal, ao mesmo tempo que introduz algo que a série não viu desde o primeiro jogo NES: uma sensação palpável de medo. As quase imbatíveis sentinelas EMMI são ainda mais aterrorizantes do que os metroides que você enfrenta no final de Metroid . Cada encontro EMMI pontua o design esterlino do jogo com pavor genuíno, provocando uma resposta emocional e física raramente vista em jogos. Metroid Dread é um retorno ao clássico Metroid tão bom quanto qualquer um poderia desejar. – Garrett Martin

4 – Death’s Door

Plataformas : PC, Xbox Series X | S, Switch, PlayStation 5, Xbox One, PlayStation 4

“Death’s Door” implicitamente argumenta algo que o mundo do entretenimento em geral precisa entender: a nostalgia não precisa ser desavergonhada ou opressora. Não precisa ser a soma da ambição de um jogo (ou de um filme, ou de um programa de TV). Não precisa ser espalhado por toda a capa e tela de título, ou em toda a extensão da campanha de marketing. “Death’s Door” evoca profundamente o espírito de alguns dos jogos mais amados de todos os tempos, e faz isso bem o suficiente para que qualquer pessoa familiarizada com esses jogos lendários, sem dúvida, os reconheça e aprecie. E faz tudo isso com um contexto e apresentação que o torna novo e vital e não apenas como uma imitação calculada do passado. Leva muito do que fez o Zelda original e “A Link to the Past” em clássicos atemporais, mas os torna próprios. A nostalgia pode ser parte do pacote, mas não deve ser o ponto principal, e o coquetel de nostalgia mecânica e criatividade narrativa do “Death’s Door” é algo que não vemos o suficiente nos negócios enlouquecidos por IP de hoje. – Garrett Martin

5 – Sable

Plataformas : PC, Xbox Series X | S, Xbox One

Apropriadamente, o título de “Sable” vem do nome de seu protagonista, não de seu papel ou do lugar em que ela mora. É um prenúncio das pequenas apostas do jogo. Sable é um planador. Agora que atingiu a maioridade, ela deixa sua casa para descobrir quem ela pode se tornar e que papel ela pode desempenhar. Para começar, Sable usa a máscara de sua cultura, feita de uma caveira de Ibex. Conforme Sable ajuda outras pessoas, ela recebe distintivos, que pode transformar em outras máscaras. Por exemplo, ela poderia usar a máscara do mecanicista tornando-se um especialista em remodelar as antigas máquinas ao seu redor em algo prático. Ela poderia se tornar uma Alpinista, explorando as margens mais altas do mundo. Ela poderia se tornar algo ainda sem nome ou imprevisto. Sua abertura significa que “Sable” faz muito poucas exigências de você. Na verdade, tudo é opcional. Por causa disso, ele realmente parece gratuito. Não é a liberdade de se mover através do espaço desinibido, para dominar ou controlar. Em vez disso, é a liberdade de determinar quem você é, de permitir que as pessoas ao seu redor transformem você em algo novo. Grace Benfell

6 – Forza Horizon 5

Plataformas : Xbox Series X | S, Xbox One, PC

“Forza Horizon 5” é o jogo mais lindo e dinâmico que já joguei no Xbox Series X por uma milha. Dito isso, a beleza do jogo não está apenas na mecânica. É como o jogo ama, respeita e dá vida ao México. Quando se trata de representar o México na tela, os americanos gostam de uma coisa, e praticamente apenas uma coisa: tons sépia. Assado em marrom e laranja, as representações do México na tela do cinema e da televisão retiram a beleza do país e o destilam em suas partes mais estereotipadas, frequentemente usando-as para destacar os narcotraficantes. Mas em “Forza Horizon 5” a diversidade das raças se encontra com a diversidade do próprio México. O México não é apenas uma paisagem desértica, e os 11 biomas distintos no jogo destacam isso. É claro que muito amor entrou em “Forza Horizon 5”. Você pode ver isso na seleção de carros. Você pode ver isso no design ambiental. Você pode ouvi-lo nas listas de reprodução. Este jogo prospera em uma cultura de amor que está embutida em todos os elementos do jogo. Em todos os aspectos, “Forza Horizon 5” é uma carta de amor para os mexicanos, e estou muito feliz por ter aberto. Kate Sánchez

7 – Wildermyth

Plataforma : PC

As decisões em “Wildermyth” não são sobre acertar ou errar em alguma coisa. Tratam de contar a história mais divertida. E é por isso que nenhum videogame lembra tanto minhas experiências de RPG de mesa com amigos. Em vez de um sistema como “Dungeons & Dragons”, que oferece pequenas variantes de falha e sucesso nas ações, é mais semelhante a sistemas modernos como os jogos “Powered by the Apocalypse” e “Blades in the Dark”, jogos projetados para os jogadores “falharem”. É um valor temático que gostaria que mais jogos fossem implementados. Waverly

8 – Monster Hunter Rise

Plataforma : Switch

“Monster Hunter World” quase chegou lá, mas “Monster Hunter Rise” parece o primeiro jogo da série de sucesso da Capcom a oferecer algo substancial além da repetição da caça ao monstro. Há um mundo real aqui, com personagens elaborados, e é um prazer visitar Rise, mesmo quando você não está procurando matar algumas feras. E quando você começa a caçar, o sistema de missões claramente regulado faz com que se encaixe perfeitamente em sua agenda lotada – você pode pegar o controlador e saber que será capaz de eliminar uma missão em menos de meia hora. É um RPG que não exige todo o seu tempo, que é exatamente o tipo de RPG de que precisamos atualmente. – Garrett Martin

9 – Genesis Noir

Plataformas : Xbox One, Switch, PC

“Genesis Noir” é um mistério cósmico de apontar e clicar sobre o significado da vida, a tragédia da morte, a criação do universo e, oh sim, jazz . Sim, é incrivelmente pretensioso, mas de uma forma que funciona perfeitamente, atraindo você em vez de afastá-lo. Tem objetivos elevados e não tem medo de realmente ir atrás deles, com uma inteligência e consideração que fazem até a decisão mais esotérica aterrissar com poder. É também o jogo mais estiloso do ano, com um esquema de cores preto e branco noir, ocasionalmente interrompido por flashes de cor, designs de personagens incríveis e uma trilha sonora de jazz atmosférica que se encaixa perfeitamente. É um dos jogos mais bonitos e fascinantes do ano. – Garrett Martin

10 – Loop Hero

Plataforma : PC

“Loop Hero” é um roguelike, um construtor de deck e um RPG com a cadência e a aparência de um jogo de defesa, envolto em uma estética de jogo para PC dos anos 90 sombria, mas simplista. É um mashup que parece que não deveria funcionar, porque aquela frase que acabei de escrever parece absurda. Em vez disso, “Loop Hero” é absolutamente magnífico. Embora possa parecer pouco envolvente porque joga a si mesmo de forma eficaz, na verdade está apenas levando o jogador a olhar a jogabilidade de outro ângulo, ou seja, um mais voltado para o sistema. Para uma pessoa como eu, que realmente não cria “builds” em RPGs, isso me fez perceber por que esse é realmente um aspecto gratificante desses jogos. Agora eu gasto metade do meu tempo no “Loop Hero” fazendo os números subirem e fazendo otimizações que eu nunca faria, antes de embarcar em outro loop.—Moises Taveras

Para conferir os outros 20 jogos citados como os melhores de 2021 pela Paste Magazine, basta acessar clicando aqui!