Mais de uma semana passou desde que dois grandes incêndios começaram dentro da zona de exclusão de Chernobyl. Eles estavam se aproximando da usina nuclear e agora os resíduos radioativos foram eliminados no local, à medida que centenas de bombeiros lutavam contra as chamas. Nesta terça-feira (14), o fogo aparentemente cessou.

Com a ajuda de algumas chuvas, bombeiros em aviões e helicópteros conseguiram extinguir os incêndios. Embora não haja fogo aberto, o chão da floresta ainda está sofrendo um “ligeiro ardor”, de acordo com uma declaração do Ministério do Interior da Ucrânia.

Qualquer tipo de incêndio perto de Chernobyl é preocupante. A área melhorou drasticamente nas últimas décadas, com o regresso da vida selvagem e a visita de turistas ao local, incluindo a sala de controle do reator que foi recentemente aberta.

Porém, os incêndios são capazes de perturbar as partículas radioativas que se escondem nas zonas contaminadas. Um estudo de 2016 publicado na Scientific Reports revelou que os incêndios de 2015 enviaram partículas radioativas para a Europa Oriental, embora os níveis fossem “muito inferiores a uma dose de um raio-x médico.”

Os incêndios recentes também provocaram uma fuga de resíduos radioativos armazenados nas proximidades da usina. De acordo com uma análise por satélite realizada pela Aspectum, uma empresa de análise geoespacial com um escritório na Ucrânia, as chamas ficaram a 36 metros de uma instalação de resíduos nucleares. Os incêndios atuais por pouco não causaram grandes estragos e o controle governamental indica que os níveis de radiação são normais na capital vizinha Kiev.

As autoridades ucranianas afirmaram que o incêndio se propagou por cerca de 20 hectares a partir do domingo passado. O Greenpeace Rússia, no entanto, analisou dados de satélite que mostram “os maiores incêndios da história da zona de exclusão”. A análise da imagem do grupo, que foi tirada na segunda-feira, indica que o maior dos dois incêndios tinha cerca de 3.400 hectares, enquanto o menor tinha cerca de 1.100 hectares. Será necessária uma análise mais aprofundada para finalizar a estimativa da área queimada.

Quando os incêndios começaram na semana passada, as autoridades tinham registado níveis de radiação 16 vezes superiores ao normal na zona de exclusão.

Embora a crescente ameaça de incêndios constitua uma preocupação genuína para Chernobyl à medida que a região se torna mais quente e seca devido às alterações climáticas, a faísca dessas chamas parecem estar diretamente ligadas à atividade humana.

A polícia identificou um homem de 37 anos como supostamente responsável pelo início de um dos incêndios. Ainda assim, os ventos e as condições de seca contribuíram para a forma como o fogo se deslocou pela paisagem. Infelizmente, o calor e a seca estão se tornando normais à medida que a crise climática se desenrola.