Chernobyl ainda está pegando fogo. Imagens de satélite capturadas quinta-feira pelo Planet Labs mostram incêndios florestais aproximando-se da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia.

Os incêndios começaram no sábado passado (4), dentro da zona de exclusão de 2.600 quilômetros quadrados ao redor da usina, que sofreu uma explosão maciça em 1986. Os níveis de radiação atingiram 16 vezes mais do que o normal no centro dos incêndios, levantando preocupações com a saúde e a segurança das equipes de bombeiros encarregadas de combater as chamas.

As imagens de satélite mostram que os incêndios estão queimando a cerca de oito quilômetros da usina nuclear, agora fechada, e da cidade fantasma de Pripyat.

Não está claro se estes são os mesmos incêndios que começaram no fim de semana passado. O ministro de serviços de emergência ucraniano havia dito à NBC News na segunda-feira (6) que os incêndios causados ​​por humanos tinham sido apagados, mas as imagens de satélite mostram claramente que as chamas continuam queimando na quinta-feira (9).

Os incêndios parecem ter sido causados ​​por alguém que colocou fogo na grama, que depois se espalhou para as árvores próximas. A região também é vulnerável a incêndios florestais causados ​​naturalmente, um risco que aumentará à medida que o planeta se aquecer.

Em 2010, a região teve 54 incêndios em áreas contaminadas e 300 em outros lugares, de acordo com um artigo publicado na Environmental International em 2014. O artigo também descreve como as mudanças climáticas estão aumentando as temperaturas e piorando as secas na região, criando condições ideais para incêndios florestais. A falta de intervenção humana também deixou combustível orgânico suficiente, como árvores e folhas mortas, para alimentar ainda mais os grandes incêndios florestais.

Os incêndios florestais são preocupantes em qualquer lugar, mas ainda mais quando o que está queimando é radioativo. Vimos fumaça de incêndios florestais viajar da Califórnia para a costa leste. Já o fogo na Austrália fez a fumaça circunavegar o mundo.

As atuais chamas de Chernobyl não estão nem perto do alcance desses incêndios, e as preocupações com o transporte de radiação são razoavelmente baixas. O governo ucraniano disse que a capital Kiev e seus subúrbios a cerca de 100 quilômetros ao sul não estão sendo afetados pelos incêndios, e os níveis de radiação permanecem normais lá.

Mas se Chernobyl sofrer incêndios maiores no futuro, que abrangem de 10% a 100% da área, o estudo de 2014 descobriu que “quantidades significativas” de radiação poderiam migrar para as comunidades da Europa Central e Oriental. Os animais selvagens podem estar retornando a Chernobyl, e o local pode estar aberto a turistas, mas a radiação ainda está lá, escondida. E um pouco mais de calor poderia deixá-la escapar.