Sou só eu ou quando vocês também veem qualquer coisa que envolva MIB aquela música ♫ ♬ here comes the men in black ♫ ♬ toca na sua cabeça? Se sim, clique aqui. Se não, só curta os melhores apps da semana para Android, que além de um joguinho maluco de MIB 3, traz um Mass Effect, apps para facilitar sua vida na hora de telefonar para alguém e até o Google+ de volta aos holofotes. Confira.

Men In Black 3.

MIB 3 (gratuito): O terceiro filme dos homens de preto sai neste fim de semana e, para entrar no clima, nada melhor que um joguinho — principalmente por ser gratuito. No jogo, você é responsável por cuidar de toda a agência, do treinamento dos homens de preto às incursões de campo, as quais, claro, incluem tiroteios contra ETs badasses. Dá até para chamar os amigos para ajudar a derrotar aquele alienígena mais casca grossa.

CallApp (gratuito): A missão do CallApp é deixá-lo totalmente informado no momento em que recebe ou faz uma ligação. Como? Reunindo em um layout bem acessível as informações do interlocutor pegas diretamente de redes sociais. Assim, quando você receber uma ligação de alguém que conste em sua lista de contatos, o app traz para a tela do celular alguns dados do perfil dele no Facebook, o último tweet, consulta as agendas dos dois para ver se ninguém está ocupado e outras coisinhas mais. Durante a ligação ele também permite trocar informações, como fotos e direções no mapa.

Sidecar.me.

Sidecar.me (gratuito): A premissa lembra bastante a do CallApp, mas é um pouco mais restrita e com foco na ligação em si, ou seja, enquanto a conversa rola. O Sidecar.me permite trocar fotos, contatos com um toque, exibir o que a câmera do celular está filmando em tempo real e ainda mostra a localização das duas pessoas que estão conversando com estabelecimento de rota — não deve ser uma boa ideia usá-lo em ligações com ex-namoradas(os).

Mass Effect 3: Infiltrator (US$ 6,99): Jogo original do iPhone (e, lá, lançado antes da chegada de Mass Effect 3), aqui você controla o agente da Cerberus Randall Ezno. A missão é aquela básica de filme “B”: proteger a humanidade das forças alienígenas. “Como!?”, você inocentemente me pergunta. Atirando em qualquer coisa que se mexa”, eu lhe respondo. Gráficos legais e controles ok, mas se o seu negócio é se aprofundar no universo da franquia, pelos reviews que lemos Infiltrator deixa a desejar.

Shoot The Zombirds (gratuito): O típico “joguinho de celular”. Mas não, não é um ripoff zumbificado de Angry Birds. Aqui você joga como o Jack O’Lantern e precisa proteger e salvar as abóboras criancinhas atirando flechas fumegantes em pássaros bem esquisitões. Acerte quantos conseguir (dica: dá para “fisgar” dois ou mais com um tiro só), fique de olho no estoque de flechas e tente enxergar alguma coisa quando a tela escurece. Booooooo…

Cafeteria Nipponica.

Cafeteria Nipponica (US$ 4,99): Se o lance da MIB e/ou agências secretas governamentais for muito hardcore pra tua cabeça, Cafeteria Nipponica traz uma proposta mais light. No jogo você administra um restaurante e precisa encontrar ingredientes para aperfeiçoar o menu, contratar e gerenciar cozinheiros e garçons e cuidar da rotina do estabelecimento, tudo visando a satisfação dos seus clientes. Do mesmo estúdio responsável pelo aclamado Game Dev Story — e mais um punhado de jogos de estratégia similares com as temáticas mais variadas possíveis.

Google+ atualizado.

Google+ (gratuito): Enfim, o novo Google+ chega ao Android. A experiência do app da rede social do Google foi totalmente reformulada. Mais visual, arrojado e, por que não, bonito, o app do Google+ é bem, bem bacana. A prometida surpresa para a versão do iPhone, que saiu antes, é a capacidade de organizar Hangouts direto do smartphone.

Pro Zombie Soccer (US$ 0,99): Um mega mashup, Pro Zombie Soccer parece uma mistura de Resident Evil, Plants vs. Zombies e Shaolin Soccer (aquele filme legalzão dos caras que lutam futebol). Neste joguinho de tower defense, você chuta uma bola de futebol NA CABEÇA dos zumbis para matá-los e manter seu cérebro longe de suas bocas. Há power-ups tão surreais quanto a ideia do jogo, como chutar a bola em um satélite geoestacionário que manda um raio destruidor nos (a essa altura…) coitados dos zumbis, e um chute potencializado por raios no meio de uma tempestade.