Embora o cessar-fogo tenha encerrado o bombardeio israelense na Faixa de Gaza, a Palestina ainda é uma catástrofe humanitária com um crescente problema ecológico que continuará agravando o sofrimento humano por anos.

A Human Rights Watch divulgou um relatório no mês passado afirmando que Israel criou um estado de apartheid legalmente definido. O grupo se referiu à Palestina como uma “prisão a céu aberto”, uma descrição que foi repetida por vários grupos e indivíduos do Conselho Norueguês de Refugiados ao ex-chefe humanitário das Nações Unidas (ONU). Em um mundo com clima limitado, os danos ecológicos da guerra e o acesso restrito aos recursos impedem que os palestinos reconstruam a infraestrutura, muito menos se preparem para um futuro mais quente.

“É uma situação catastrófica em Gaza”, disse Abeer Al Butmeh, coordenador da Rede de ONGs Ambientais Palestinas (Pengon), em uma ligação no WhatsApp. Ele fala sobre o “impacto causado nos agricultores, nas crianças, nas mulheres, é como se vivessem sob uma grande escassez.”

Embora não seja definido legalmente (ainda), o clima e o eco-apartheid têm um cada vez mais destaque nos últimos anos. Nos Estados Unidos, os pobres têm maior probabilidade de perder tudo em um incêndio florestal do que os ricos. Bairros historicamente marcados de vermelho e com comunidades de cor, têm taxas mais altas de asma e ficam mais quentes no verão do que as áreas vizinhas. Mas este é um fenômeno internacional também.

“O apartheid climático envolve o endurecimento das fronteiras e as restrições aos movimentos das pessoas afetadas por perturbações ambientais e sociais”, escreveu Ashley Dawson, especialista em estudos pós-coloniais da City University of New York, em seu livro de 2017 chamado Extreme Cities.

A Palestina, separada do resto do mundo por um muro de um lado e um mar do outro, enfrenta severas restrições à movimentação de seu povo sob a ocupação do governo israelense .

O bombardeio da faixa em 2014 resultou em danos ecológicos generalizados. Um relatório da PENGON encontrou residentes relatando problemas com a qualidade do ar de edifícios explodidos por bombas israelenses, a destruição de instalações de tratamento de água e solo bombardeado que, mesmo depois de ser tratado, era “ou completamente infértil ou produzia safras significativamente mais baixas do que antes ”, de acordo com entrevistas com moradores. O relatório prosseguiu observando que os agricultores podem enfrentar “impactos ambientais retardados da guerra”.

“Essa guerra continuou, mas não parou em 2014”, disse Al Butmeh. “Há um impacto de longo prazo para as práticas israelenses, seja durante ou após a guerra”.

A guerra de 2014 danificou a estação de tratamento de águas residuais da Autoridade Palestina. O relatório concluiu que isso resultou no despejo de resíduos não tratados no mar, deixando 70% da costa de Gaza imprópria para uso humano. Por causa do bloqueio israelense de materiais em Gaza, os itens necessários para consertar a fábrica e cavar novos poços de água doce estão em falta. Um relatório da ONU de 2018 alertou que esses problemas combinados, juntamente com o acesso desigual à eletricidade, significavam que “um surto de doença endêmica ou outra crise de saúde pública seria iminente”. O relatório observou que os médicos não tinham acesso a água potável e nem sempre eram capazes de realizar cirurgias com segurança, enquanto Al Butmeh observou que, devido à falta de eletricidade, os hospitais também não funcionam adequadamente.

Levará tempo para entender o verdadeiro alcance dos danos que o recente bombardeio causou à Palestina, mas os estragos se somam a outras injustiças ecológicas, que só vão piorar devido às mudanças climáticas.

O governo israelense causou o dano e depois se recusou a permitir que os palestinos reparassem, piorando a crise da água. O mesmo ciclo recomeçou durante os recentes bombardeios, com danos à infraestrutura de água e canos que atendiam a “pelo menos 800 mil pessoas” foram desativados, de acordo com o New York Times .

Isso dialoga com a inação do mundo sobre as mudanças climáticas. O aquífero costeiro, que é a principal fonte de água doce subterrânea de Gaza, está cada vez mais em risco com o aumento do nível do mar. Muito antes de a água salgada atingir a terra, ela perfurará as camadas de água doce e tornará a água potável restante salgada. A falta de acesso a eletricidade confiável torna a dessalinização – que já é um processo caro e que consome muita energia – quase impossível.

Assine a newsletter do Gizmodo

Também se espera que Gaza, como grande parte do Oriente Médio, se torne ainda mais seca e quente nas próximas décadas. Um relatório de 2017 descobriu que a violação da meta de 2ºC, definida no Acordo de Paris – um caminho que estamos trilhando – resultaria em uma queda de 15% nas chuvas em meados do século e uma redução de 20% no fim do século.

É esse futuro mais quente e mais escasso que torna a atual crise humanitária tão desgastante.

É um modelo a ser seguido por outros regimes autocráticos ou piores, preservando ar fresco e água limpa para poucas pessoas às custas do resto. Um modelo que se baseia numa forte estrutura de poder.

Em um artigo publicado apenas em março deste ano, os pesquisadores argumentaram que “as evidências mostram claramente que a precariedade de várias formas – ambiental, econômica, social, política – devido às mudanças climáticas não é apenas desigual, mas social e historicamente produzida. Ao mesmo tempo, o privilégio é garantido para algumas populações que podem se isolar dos perigos climáticos e obter (muitas vezes de forma violenta) os recursos necessários.”

Milhões de pessoas confinadas em uma pequena faixa de terra com políticas severas e recursos cada vez menores é o futuro que outras pessoas vulneráveis ​​podem enfrentar.