A Intel tem visto a concorrência crescer no mercado de CPUs. Nesta quarta-feira (13), ela decidiu fazer uma mudança: Bob Swan sairá do cargo de CEO e será substituído por Pat Gelsinger.

Gelsinger vem da VMware, onde trabalhou como CEO por nove anos. Mas a maior parte de seus quase 40 anos no ramo de tecnologia foram na Intel — 30, para ser exato. Ele trabalhou em alguns dos padrões mais importantes encontrados em computadores, incluindo USB e Wi-Fi. Ele também foi, notavelmente, o arquiteto do famoso microprocessador 80486, que foi um dos primeiros chips x86 realmente excelentes e o primeiro a incorporar mais de um milhão de transistores.

A carreira dele é bem diferente da de Swan, que era o diretor financeiro da Intel antes de assumir como CEO interino em 2018 e ser oficializado em 2019. Swan foi promovido ao cargo depois que o ex-CEO Brian Krzanich foi forçado a renunciar devido a um relacionamento considerado “inapropriado” com uma funcionária. Na época, a Intel estava enfrentando uma crise por causa das falhas devastadoras Spectre e Meltdown em suas CPUs.

Os quase três anos de Swan como CEO também não ajudaram muito a sorte da Intel. As falhas de design que permitiram a propagação do Specter e do Meltdown foram resolvidas em CPUs projetadas desde então, mas a Intel teve outros problemas. A empresa teve dificuldades para passar do processo de 14 nm que foi usado por mais de cinco anos para o de 10 nm ou mesmo o de 7 nm usado pela AMD, sua principal concorrente no mercado de chips. Mesmo suas mais recentes CPUs para desktop, anunciadas este ano na CES, são uma combinação de 10 nm e 14 nm.

Essa dificuldade para mudar para processos menores é apenas uma das razões pelas quais a Apple, um de seus clientes mais notáveis, decidiu se concentrar na produção de suas próprias CPUs baseadas em Arm no ano passado. A Intel ainda detém um quase monopólio no setor de servidores, mas a AMD vem rapidamente ganhando terreno no mercado de varejo.

Gelsinger está herdando uma empresa com algumas dificuldades moderadas. A Intel é muito grande para ser dizimada por acordos ruins ou executivos ruins. Ele ainda detém uma série de patentes lucrativas e, como já observado, ainda é gigante em servidores e comunicações sem fio. Mas as perspectivas não são boas e Gelsinger precisará trabalhar muito para corrigir a rota.