CEO da Intel por cinco anos, Brian Krzanich deixou o cargo, de acordo com um comunicado de imprensa da própria empresa. De forma surpreendente, isso não tem nada a ver com os problemas de segurança da Intel ou com a venda de ações por parte de Krzanich, pouco antes da divulgação das notícias sobre esses problemas de segurança.

• A Intel vai lançar placas de vídeo para rivalizar com AMD e Nvidia em 2020
• Intel quer aumentar autonomia de bateria de laptops em até oito horas ao controlar brilho da tela

Segundo a Intel, Krzanich pediu demissão depois de descobrirem que ele estava tendo um relacionamento com uma funcionária da companhia. De acordo com o comunicado:

A Intel foi recentemente informada que o Sr. Krzanich teve um relacionamento consensual com uma funcionário da Intel. Uma investigação em andamento por parte de consultores internos e externos confirmou uma violação da política de não-fraternização da Intel, que se aplica a todos os gerentes. Dada a expectativa de que todos os funcionários respeitem os valores da Intel e adiram ao código de conduta da empresa, a diretoria aceitou a renúncia do Sr. Krzanich.

Krzanich, que é casado e tem duas filhas, é CEO da Intel desde 2013, mas está na empresa há mais de três décadas. Ele entrou na companhia pela primeira vez como engenheiro, antes de gerenciar a cadeia de suprimentos da Intel e, posteriormente, se tornar COO em 2012 e CEO em 2013. Ele era conhecido como “BK” por seus funcionários.

Krzanich será substituído pelo diretor de finanças Bob Swan, que está muito longe de ser um engenheiro. Swan juntou-se à Intel em 2016 e, antes disso, trabalhava como sócio em uma empresa de investimentos. Swan também foi CFO do eBay e passou 15 anos em cargos de finança na General Electric.

A grande mudança de liderança vem depois de meses de publicidade ruim para a Intel, começando com a revelação de enormes falhas de segurança nas CPUs da empresa no começo deste ano. Essas falhas agora são conhecidas como Spectre e Meltdown. O próprio Krzanich esteve pessoalmente envolvido no escândalo de segurança um dia depois, quando foi descoberto que ele havia vendido quase US$ 11 milhões em ações da empresa meses antes das vulnerabilidades serem reveladas e por volta da mesma época em que ele teria sido informado sobre os problemas.

Imagem do topo: Intel