Nova pesquisa detalha dois encontros fatais em que chimpanzés selvagens atacaram e mataram gorilas. É um raro exemplo de uma espécie de grande macaco atacando outra – e os cientistas estão preocupados que a mudança climática possa ter algo a ver com isso.

Os chimpanzés e gorilas podem ser violentos e territoriais, mas suas disputas – que às vezes podem ser fatais – acontecem quase exclusivamente dentro de sua própria espécie. É inédito dois símios se matando (exceto pelo ser humano, que mata tudo). Daí a importância das novas pesquisas publicadas no Scientific Reports, em que cientistas documentam dois confrontos fatais envolvendo chimpanzés e gorilas no Parque Nacional Loango, no Gabão.

“Foi só quando ouvimos a primeira batida no peito, um som que só os gorilas fazem, que soubemos que algo diferente estava para acontecer.”

O primeiro encontro, de 52 minutos, aconteceu no dia 6 de fevereiro de 2019, e “ocorreu após uma patrulha territorial durante a qual os machos fizeram uma incursão profunda em um território vizinho de chimpanzés”, segundo o estudo.

“No primeiro encontro, quando ouvimos os gritos iniciais dos chimpanzés, realmente pensamos que nossos chimpanzés haviam se chocado com outro grupo de chimpanzés”, explicou Lara Southern, estudante de doutorado no Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva e primeira autora do estudo, em um email. “Foi só quando ouvimos a primeira batida no peito, um som que só os gorilas fazem, que soubemos que algo diferente estava para acontecer.”

Um grupo de 27 chimpanzés atacou cinco gorilas – dois machos, duas fêmeas adultas e uma criança. Os gorilas tentaram se defender com força física, posturas corporais intimidantes e gestos ameaçadores, mas sem sucesso. Os quatro adultos conseguiram escapar, mas a criança, separada da mãe, não sobreviveu. Vários chimpanzés foram feridos durante a batalha, incluindo um ferimento grave sofrido por uma adolescente.

O segundo encontro letal, em 11 de dezembro de 2019, durou quase 80 minutos e foi muito semelhante ao primeiro, envolvendo chimpanzés da mesma comunidade. Neste ataque, 27 chimpanzés atacaram um grupo de sete gorilas, deixando mais um gorila infantil morto. No primeiro encontro, o bebê morto foi deixado sozinho, mas o pequeno animal,  no segundo encontro, foi quase totalmente consumido por uma fêmea de chimpanzé adulta”, observou o estudo.

“Em ambos os casos, assim que o primeiro chimpanzé que viu os gorilas soltou um latido ou grito de alarme, a maioria dos outros membros do grupo reagiu imediatamente e aderiu, todos latindo juntos”, observou Southern. “Os chimpanzés trabalharam juntos para selecionar certos gorilas e, em ambos os casos, conseguiram separar os bebês gorilas de sua mãe”.

A razão para esses ataques, aparentemente não provocados, é desconhecida, mas os encontros fatais podem estar ligados à diminuição do acesso aos alimentos. Como os cientistas especulam, o aumento da competição por alimentos no parque e possivelmente em outros lugares, pode ser o resultado de mudanças climáticas, embora mais pesquisas sejam necessárias para ter certeza. Se esse for o caso, no entanto, é mais um exemplo do mundo natural sendo virado de cabeça para baixo pela mudança climática instigada pelo homem.

Pesquisadores do Projeto Chimpanzé Loango observam grandes macacos no parque há vários anos e estão aprendendo muito sobre suas relações sociais, dinâmica de grupo, comportamento de caça e habilidades comunicativas. De 2014 a 2018, a equipe documentou nove ocasiões em que chimpanzés e gorilas saíram juntos, o que costumam fazer neste parque e em outras partes da África oriental e central. Como os cientistas escreveram em seu estudo, esses encontros “sempre foram pacíficos e, ocasionalmente, envolviam alimentação conjunta de árvores frutíferas”. E como a cientista cognitiva Simone Pika da Universidade de Osnabrück observou em um comunicado à imprensa, os colegas da equipe do Congo testemunharam até “interações divertidas entre as duas espécies de grandes macacos”.

Então imagine a surpresa deles quando, em 2019, a equipe testemunhou não um, mas dois encontros violentos, cada um terminando em morte. Em ambos os casos, os chimpanzés formaram coalizões, atacaram os gorilas e usaram seu número maior a seu favor.  Os dois incidentes ocorreram nas fronteiras externas do território dos chimpanzés, e os principais agressores foram chimpanzés machos adultos. Os pesquisadores foram capazes de observar os ataques a cerca de 30 metros de distância e os descrevem em detalhes em seu novo relatório.

“Nossas observações fornecem a primeira evidência de que a presença de chimpanzés pode ter um impacto letal sobre os gorilas”, explicou Tobias Deschner, primatologista do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva e coautor do estudo, em um comunicado do instituto. “Agora queremos investigar os fatores que desencadeiam essas interações surpreendentemente agressivas”, disse Deschner, que lidera o Projeto Chimpanzé Loango ao lado de Pika.

Jessica Mayhew, uma antropóloga biológica da Central Washington University, disse que os primatas adotam diferentes estratégias para navegar tanto no conflito intragrupo quanto intergrupal e que os chimpanzés e gorilas apresentam abordagens muito diferentes a esse respeito.

“Se você estuda os chimpanzés, espera que qualquer briga possa rapidamente se tornar letal, o que é uma prova de sua excitabilidade, mas também de sua incrível velocidade e poder”, explicou Mayhew, que não estava envolvido no estudo, por e-mail. “No entanto, ter essa expectativa não torna um resultado letal mais fácil de testemunhar. A vida de um jovem gorila é muito perigosa – a mortalidade infantil é alta – e este estudo destaca novamente sua vulnerabilidade dentro de um grupo, mesmo com um formidável dorso prateado como pai. ”

Os grandes dorso-prateado podem pesar até 270 quilos, mas os chimpanzés têm uma força feroz. Uma pesquisa de 2017 mostrou que os chimpanzés são 1,5 vezes mais fortes do que os humanos nas tarefas de puxar e pular.

“Considerando que os gorilas ocidentais fêmeas podem pesar quase duas vezes o peso de um chimpanzé macho de 45 quilos, enquanto os gorilas machos podem ser três a quatro vezes mais pesados ​​que um chimpanzé macho, o fato de que os chimpanzés podem roubar um gorila infantil de sua mãe é notável ”, disse Richard Wrangham, biólogo evolucionista da Universidade de Harvard, por e-mail. “Como observam os pesquisadores, os chimpanzés tinham as vantagens de um grupo maior, como as hienas quando ocasionalmente matam leões. Sua agilidade e capacidade de cooperação lhes dão força extra ”, explicou Wrangham, que não estava envolvido no estudo.

Tanto Mayhew quanto Wrangham disseram que as novas observações destacam a importância dos estudos de longo prazo com primatas no campo.

Conforme observado, os chimpanzés realizam patrulhas de limites territoriais para procurar sinais de outros chimpanzés ou para invadir comunidades vizinhas. Os cientistas acreditam que essas incursões estão ligadas a sistemas sociais de fissão-fusão, nos quais os indivíduos deixam um grupo para se juntar a outro. Este comportamento em chimpanzés sugere “paralelos funcionais e continuidades evolutivas entre a violência de chimpanzés e invasões letais entre grupos em humanos”, de acordo com o estudo. As observações modernas de grandes macacos representam um modelo vivo que os cientistas podem estudar em tempo real, como explicou Southern.

“Olhando para as pressões atuais enfrentadas por essas duas espécies, tanto em seu ambiente quanto na forma como elas interagem socialmente, podemos aprender um pouco mais sobre como nós, humanos, por assim dizer, ‘subimos ao topo’”, ela escreveu. “É crucial, agora mais do que nunca, trabalharmos para proteger essas espécies ameaçadas de extinção que fornecem uma janela para o nosso passado e merecem um lugar neste futuro.”

Foto: LCP, Tobias Deschner

Os gorilas são parentes tão distantes dos chimpanzés quanto dos humanos. Para Wrangham, no entanto, o ataque do chimpanzé aos gorilas não foi muito surpreendente, dado seu interesse em matar. Como ele me escreveu em um e-mail:

Os chimpanzés claramente se divertem caçando e matando outros primatas, de macacos a chimpanzés e até mesmo humanos (principalmente crianças). Os bonobos também matam várias outras espécies para comer, e existem até mesmo algumas observações de macacos bebês roubados de suas mães, aparentemente para ‘brincar’, até que morressem. Os gorilas, por outro lado, mostram pouco interesse em matar outras espécies, seja na natureza ou em cativeiro.

Mas os gorilas não são  gigantes gentis, um dorso-prateado feriu gravemente uma chimpanzé fêmea. Isso mostra que pode ser arriscado para os chimpanzés atacarem os gorilas, o que torna sua agressividade um quebra-cabeça fascinante. Como Southern observou, mais observações são necessárias, de preferência com gorilas que não fogem de humanos, para entender se os chimpanzés obtêm algum benefício com o gorilicida além da emoção de matar.

Quanto a outras possibilidades, Southern disse que eles “só podem realmente imaginar o porquê disso acontecer”, mas eles têm algumas teorias. Uma possibilidade é que os chimpanzés quisessem caçar bebês de gorilas como presa, mas, visto que apenas um chimpanzé manifestou interesse nisso, e dados os riscos envolvidos, realmente não faz sentido.

“Também pode ser possível que em certas épocas do ano, quando os frutos favoritos dos chimpanzés e gorilas estão mais maduros, haja níveis super elevados de competição entre os dois macacos”, explicou Southern. “Se essa competição ficar intensa o suficiente, pode até levar ao tipo de violência que observamos.”

Ela completa: “Achamos que em Loango, os gorilas são vistos como fortes competidores pelos chimpanzés, tanto no uso do espaço quanto na alimentação, da mesma forma que nosso grupo [em Loango] vê outros chimpanzés inimigos”.

O que é um ponto muito bom. Se for esse o caso, os chimpanzés não estão olhando para os gorilas como membros de outra espécie, mas os consideram uma ameaça ao seu acesso aos alimentos.

Como aponta o comunicado do Instituto Max Planck, as frutas nas florestas tropicais do Gabão não são tão abundantes como costumavam ser, e as mudanças climáticas causadas pelo homem podem ter algo a ver com isso. Por sua vez, isso pode estar causando o conflito observado entre as duas espécies de grandes macacos. Mais pesquisas serão necessárias, especialmente avistamentos de conflitos repetidos entre chimpanzés e gorilas (tanto em Loango quanto em outros lugares) e investigações mostrando os efeitos do desmatamento, mudanças climáticas e outros fatores que podem estar mudando a forma como esses macacos usam seu espaço na floresta e interagem uns com os outros. Como Mayhew explicou, esses tipos de pressão podem aproximar as populações de macacos, resultando em encontros mais frequentes e aumento da competição por comida.

Assine a newsletter do Gizmodo

“No momento, acho que é seguro dizer que este é um evento atípico, mas, como os autores apontam, há muito para desvendar neste local em termos dos tipos de pressões exercidas sobre essas duas espécies de macacos,” disse Mayhew. “É provável que a mudança climática tenha um papel na história, mas é difícil dizer sem um olhar mais cuidadoso.”