A NASA anunciou na manhã desta sexta-feira (6) que o Perseverance coletou uma amostra de rocha em Marte — a primeira de cerca de 35 outras amostras que voltarão para a Terra. O trabalho do rover está só começando, já que a previsão é que os rochedos só cheguem ao nosso planeta no início de 2030.

Thomas Zurbuchen, administrador associado da NASA para assuntos de ciência, disse que eras rochas, caso retornem com segurança à Terra, provavelmente revelarão uma grande quantidade de informações sobre Marte, incluindo detalhes da geologia do planeta. Eu digo “caso retornem” porque, embora o trajeto do Perseverance até Marte tenha ocorrido como o planejado, não se pode afirmar com toda a certeza que esse retorno acontecerá da mesma forma.

“Tenho pensado e me preparado para este dia há quase 8 anos. Foi um caminho longo, intenso, desafiador e estimulante que resultou no hardware robótico sofisticado que é o Perseverance”, disse Louise Jandura, engenheira-chefe de amostragem e armazenamento em cache no Laboratório de Propulsão a Jato da agência espacial americana.

A primeira rocha coletada pelo rover veio da borda da cratera Jezero de Marte, em uma região onde antes era um antigo leito do lago. É lá que o Perseverance aterrissou dramaticamente em fevereiro com o helicóptero Ingenuity, e onde os dois veículos estiveram circulando desde então.

A NASA descreveu as etapas necessárias para extrair a amostra em uma coletiva de imprensa realizada no final do mês passado. Primeiro, a equipe na Terra selecionou o local da amostra, o Cratered Floor Fractured Rough, um trecho acidentado de rocha a pouco menos de um quilômetro do local de pouso. Em seguida, o rover foi instruído a abrasar a superfície da rocha ao raspar a crosta e perfurar a pedra, retirando um pedaço e armazenando a amostra.

No momento da conferência, os cientistas da NASA não tinham certeza se o material bruto é composto de rochas ígneas ou sedimentares, o que exigiria diferentes processos geológicos para se formar. Rochas ígneas são aquelas expelidas por vulcões e que acabaram resfriando após milhares de anos, enquanto que rochas sedimentares tomam forma a partir da constante formação de camadas de sedimentos que eventualmente se compactam, formando as rochas.

Assine a newsletter do Gizmodo

Segundo os primeiros olhares dos cientistas, tudo leva a crer que o pedaço de rocha coletado pelo Perseverance seja ígneo. A amostra já está em segurança dentro de um dos tubos de ensaio do rover. O próximo destino do robô da NASA é o monte Séitah, uma cordilheira ondulante de dunas de areia sobre a qual o helicóptero Ingenuity sobrevoou recentemente. Depois, o rover partirá para os Raised Ridges, outra formação próxima. Por fim, o rover irá para Three Forks, na borda da cratera, e onde os cientistas esperam encontrar sinais fossilizados de vida.