Um designer inglês resolveu far uma lição de civilidade para o mundo desenvolvido e criou um picotador de papel movido à hamster. O projeto envolve uma gaiola, uma rodinha e o mecanismo de destruição de documentos propriamente dito. O grande problema é que para UMA mísera folha ser esquartejada até o fim, o pobre rato precisa correr por 45 minutos. Não sou exatamente um cara que entende muito sobre direitos dos animais, mas isso me parece abuso.

Com a palavra, Tom Ballhatchet, o grande e inventivo inventor do bagulho:

Queria inventar um produto que chamasse a atenção das pessoas sobre assuntos tópicos importantes, como mudanças climáticas, reciclagem e fraude de identidade. O picotador hamster traz uma solução para todas essas coisas, já que usa a energia do próprio animal, destrói documentos confidenciais e transforma o papel em um lugar para o hamster dormir.
Quem comprar um desses pode colocar o papel no picotador antes de ir dormir e na hora em que acordar verá que o hamster correu na roda e destruiu o papel no processo. O hamster vai continuar vivendo normalmente.

Mais uma invenção com o potencial de mudar o mundo. [DailyMailOnline]