Segundo o Guardian e a Reuters, a polícia australiana esteve na casa de Craig Wright, um CEO australiano identificado por investigações do Gizmodo e da Wired como um provável candidato à identidade secreta de Satoshi Nakamoto, o criador do Bitcoin.

>>> Este australiano diz que ele e seu amigo morto inventaram o Bitcoin



Horas após a publicação dos artigos, mais de 10 agentes da lei foram até a casa de Wright nos subúrbios de Sydney. Alguns deles vestiam luvas brancas e aparentemente vasculharam os armários e garagem da casa, segundo o Guardian. O jornal diz que a busca aparentemente não tem conexão com a possível criação do Bitcoin, e se refere a uma investigação do Australian Taxation Office (ATO), órgão responsável por impostos na Austrália.

Segundo Jane Wardell, da Reuters, a polícia esteve também nos escritórios de empresas de Wright.

Um policial disse à Reuters que a busca não “era associada com os relatos da mídia sobre bitcoins”, e disse que os agentes foram “limpar a casa”.

Documentos fornecidos ao Gizmodo, muitos dos quais foram corroborados por entrevistas, mostram Wright alegando ter um papel importante na invenção da criptomoeda. Os documentos também indicam que Dave Kleiman, um perito em computação forense que morreu em 2013, também esteve envolvido no surgimento do Bitcoin.

Um dos documentos é uma aparente transcrição de uma reunião entre Wright e seus sócios na ATO sobre a regulamentação do Bitcoin para fins de impostos na Austrália. Em um momento da transcrição, Wright é citado dizendo “Eu fiz o meu melhor para esconder o fato de que rodo bitcoin desde 2009, mas… mas no fim das contas isso eu acho que metade do mundo vai ficar sabendo.” Não está claro se a reunião tem relação com a operação de hoje.