Hoje, pela primeira vez, uma espaçonave tentará realizar pouso em um cometa. A ESA (Agência Espacial Europeia) está fazendo livestream de todo o procedimento, que você pode assistir abaixo (ou através deste link).

A sonda Rosetta levou o módulo de pouso Philae até o espaço, para aproximá-lo do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. O Philae já se desprendeu da sonda e está voando rumo ao cometa.

Se o módulo de pouso conseguir atingir seu objetivo – o que não é garantido! – ele se prenderá ao chão com dois arpões e três garras e entrará para a história. Senão, a sonda Rosetta continuará tirando fotos à distância do cometa.

O objetivo é ajudar a entender a origem e evolução do Sistema Solar: como explica a ESA, “a composição do cometa reflete a composição da nebulosa pré-solar da qual o Sol e os planetas se formaram, mais de 4,6 bilhões de anos atrás”. Por isso, o Philae vai tirar fotos da superfície do 67P/C-G e analisar o solo do cometa com seus instrumentos.

O 67P/Churyumov-Gerasimenko tem 4 km de diâmetro e foi descoberto em 1969. Ele orbita o Sol a cerca de 580.000.000 km de distância, no cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter. A missão Rosetta foi lançada em 2004, e se aproximou do cometa em agosto deste ano – ou seja, dez anos depois! – entrando em sua órbita no mês seguinte.

Como lembra a Folha, todo o processo é automatizado: afinal, devido à distância entre a Terra e o cometa, um sinal de rádio leva 28 minutos para chegar até lá. Por isso, não há nada a fazer para garantir o sucesso da missão.

Mas o que poderia dar errado? Bem, o módulo Philae não tem propulsor: ele vai cair suavemente na superfície do cometa, então um erro de cálculo pode ser fatal.

Torcemos que tudo corra bem. Acompanhe tudo ao vivo no vídeo abaixo (ou neste link).

Imagem via ESA/YouTube