Você lembra que daquela época — digamos assim, dois anos atrás — quando um novo filme de Power Rangers foi lançado como reboot da franquia? Pois é, ele não foi tão bem. Mas agora Hollywood está prestes a dizer “É hora de morfar!” mais uma vez.

O Gizmodo confirmou que a Paramount está em “negociações iniciais” com o cineasta Jonathan Entwistle (que fez The End of the F***ing World, da Netflix) para mais um reboot de Power Rangers nas telonas. O Hollywood Reporter deu a notícia em primeira mão.

Ao contrário do filme de 2017 acima mencionado, porém, esse Power Rangers seria menos “Young Adult” e mais “sitcom dos anos 90”, como o programa de TV. De fato, relatos apontam que o argumento desse filme “envolve um elemento de viagem no tempo que leva as crianças aos anos 90 e, de um jeito meio De Volta Para o Futuro, elas precisam encontrar uma maneira de voltar ao presente”. O roteirista Patrick Burleigh (Peter Rabbit 2) está trabalhando no projeto.

Tudo isso, é claro, confirma notícias anteriores de que a Hasbro, que é a nova proprietária da franquia Power Rangers, estava procurando voltar ao mercado de filmes. Até o próprio Dacre Montgomery, que fez o Ranger Vermelho no primeiro reboot, disse que essa era uma possibilidade.

Meu colega James Whitbrook tem suas opiniões sobre isso (que você pode e deve ler aqui), mas minha reação inicial é que isso até que faz sentido. Primeiro de tudo, o filme de 2017 foi apenas meio ruim. Depois que os personagens realmente se tornam Power Rangers, ele melhora muito, provando que a ideia central de as crianças se tornarem uma equipe de super-heróis ainda funciona.

Além disso, com a Hasbro no comando, é de se esperar que a empresa tente focar um um público mais jovem para realmente fazer brinquedos do filme. E os Power Rangers eram isso originalmente. No entanto, este é apenas um entre 500 milhões de exemplos da falta de originalidade e da fé cega que Hollywood tem em franquias que já demonstraram não ser hits garantidos.

Mas, apesar de o pessimismo imperar, o lado otimista leva a pensar em como um filme dos Power Rangers poderia ser divertido, ainda mais se trouxer de volta o clima do programa de TV e colocar umas viagens no tempo no meio de tudo isso. Parece um tiro no escuro, mas pode ser emocionante.