Uma grande pergunta que os fãs de Star Wars têm feito, mesmo semanas após o lançamento do Rogue One, tem sido: por que diabos a Princesa Leia estava na Batalha de Scarif? Por sorte, alguns experts do Lucasfilm Story Group esclareceram as coisas.

• Stranger Things tem o elenco ideal para um hipotético Star Wars Origins, e este artista prova isso
• A intrigante história por trás do castelo de Darth Vader em Rogue One

O expert em Star Wars Pablo Hidalgo e companhia apareceram em um episódio recente de The Star Wars Show, mencionado no fim da semana passada. Foram perguntados sobre por que a nave consular de Leia, Tantive IV, apareceu no fim do filme, conectando diretamente Rogue One a Star Wars IV: Uma Nova Esperança. Acontece que é porque ela e o Almirante Raddus desviaram seu caminho da viagem a Tatooine para buscar Obi-Wan Kenobi.

“O plano sempre foi que Leia estivesse indo a Tatooine buscar Obi-Wan e que Raddus a estivesse acompanhando”, disse Hidalgo. “Então veio a notícia de Scarif, isso foi considerado mais importante, e aquele era a única nave de guerra que eles tinham àquela altura.”

Hidalgo disse que Raddus estava acompanhando Leia porque ela era “o rosto da causa” e porque precisavam mantê-la segura para que ela pudesse continuar conseguindo suprimentos para eles. A própria inclusão da nave foi explicada na romantização de Rogue Ones; Tantive IV permaneceu na nave de Raddus, em vez de ficar em Yavin ou voando sozinho, porque estava passando por reparos. Talvez por isso tenha sido incapaz de ultrapassar a Star Destroyer — além do fato de que, bom, era uma Star Destroyer.

Outro pequeno e interessante aperitivo compartilhado (no programa) foi o de que Leia na verdade estava o tempo todo em Yavin durante o planejamento da viagem a Tatooine e da rebelião de Jyn Erso. Hidalgo disse que mantiveram secreta a presença de Leia porque o filme queria “guardar a revelação”, mas Leland Chee acrescentou que as aparições de R2D2 e C-3PO foram pistas.

[YouTube]