Elon Musk, uma das pessoas mais ricas do planeta, publicou um tuíte na quinta-feira à noite sobre o verdadeiro problema dos carros autônomos. E como você provavelmente já deve ter adivinhado, é uma daquelas coisas que parecem profundas até que você para e pensa por três segundos. Isso é basicamente a marca registrada de Musk.

“Uma parte importante da IA ​​do mundo real tem que ser resolvida para fazer um trabalho não supervisionado e generalizado de direção autônoma, já que todo o sistema rodoviário é projetado para redes neurais biológicas com imageadores ópticos”, escreveu Musk.

O que significa que o sistema foi projetado para “redes neurais biológicas com imageadores ópticos?” Essa é uma maneira elegante de dizer que nosso sistema de rodovias atual foi projetado para cérebros e olhos humanos.

O raciocínio de Musk está correto, mas talvez ele seja tão dolorosamente óbvio que faz parecer que o bilionário está brincando. E a suposição subjacente do tuíte é que 1) os carros de IA seriam muito mais fáceis sem esses projetos centrados no ser humano e que 2) o problema com a IA em carros não é necessariamente a tecnologia nos carros. O problema, como Musk quer sugerir, é a tecnologia ao redor dos carros ou a infraestrutura que permitiu que toda a nossa forma de dirigir existisse no século passado.

Por que Musk está tuitando algo assim? Talvez porque ele precise colocar a culpa em alguma coisa, na esteira de tantos relatórios contundentes sobre sua empresa de automóveis Tesla. Musk recebeu críticas generalizadas pela promoção da empresa de um recurso chamado AutoPilot, que supostamente permite a direção semiautônoma.

O AutoPilot não se destina a permitir uma direção totalmente autônoma, se você acredita nos advogados de Tesla, mas você não precisa procurar muito para encontrar pessoas testando os limites do AutoPilot. Os vídeos se tornaram virais de passageiros em Teslas sem ninguém no banco do motorista, como você quase certamente já viu.

Mas pessoas morreram com o AutoPilot acionado, com o exemplo mais recente sendo duas pessoas no Texas, onde o corpo de bombeiros teve que ligar para a Tesla para obter conselhos porque o fogo durou por mais de quatro horas. Os bombeiros usaram 30.000 galões de água para apagar o incêndio, que continuou aceso por causa das baterias do carro. A Tesla nega que ninguém estava dirigindo, apesar do que dizem as autoridades locais, mas uma investigação está em andamento.

Ironicamente, o que Musk está mais ou menos argumentando em seu último tuíte é o oposto de seus talentos reais. Ele é amplamente visto na cultura popular como um visionário com boas ideias e fraco desempenho. Suas ideias de “transporte em massa”, como o Hyperloop, são um ótimo exemplo disso. Em 2013, Musk revelou sua ideia para um sistema de veículo em um tubo de vácuo que pode viajar a 966 km/h. E ele compartilhou essa ideia com o mundo esperando que alguém fizesse isso. Mas acontece que o difícil de criar um sistema de transporte de massa de alta velocidade não é a tecnologia, é a política e os direitos à terra, algo que eu argumentei na época, antes mesmo de Musk anunciar oficialmente sua ideia.

Musk adoraria destruir o sistema de rodovias e construir algo que fosse mais fácil para seus carros Tesla identificarem e dirigirem com segurança. Mas não é esse o problema que o confronta. Seria como os fabricantes de robôs exigindo que todos os novos edifícios tenham apenas um andar e nenhuma escada, porque a maioria dos robôs de estilo humano têm dificuldade para subir escadas. O antigo Darpa Robotics Challenge tinha obstáculos do mundo real por um motivo. Queremos que os robôs se adaptem ao nosso mundo, não queremos mudar o nosso mundo para torná-los mais confortáveis. Como disse o jornalista Kelsey Atherton, “a tecnologia interpreta os humanos como defeituosos e busca contorná-los”.

Mas nada disso é novo. A Darpa tentou fazer um carro totalmente autônomo na década de 1980, mas o veículo ficou confuso com a neve na estrada em sua pista de testes fora de Denver. A Darpa não disse: “precisamos impedir que neve no Colorado e então será perfeito.” Eles reconheceram que ainda não haviam criado a solução certa.

Assine a newsletter do Gizmodo

O problema, se Musk quiser continuar neste caminho de direção autônoma no mundo real, é fazer algo para nossas estradas atuais que seus carros possam dirigir com segurança. Se ele gostaria de construir um sistema de transporte mais seguro desde o início, ele deveria investir em monotrilhos. Ou, melhor ainda, ele pode cavar um túnel e construir algo que realmente nos surpreenda.

Musk nos prometeu isso em lugares como Chicago e Las Vegas, mas tudo o que conseguimos foi um Tesla com motoristas humanos movendo-se lentamente em um túnel. Quando recebe possibilidades infinitas em um novo terreno, ele simplesmente volta aos velhos hábitos. Mas tudo faz sentido. Musk é fundamentalmente um empresário, não um visionário.