O iPad 2 pode ser uma bela tábua para consumo de conteúdo, ler livros, quadrinhos e jogar, mas, se ele não chega a substituir completamente um notebook, não faz feio na hora de ajudar àqueles que precisam produzir conteúdo, escrever, ler artigos e navegar em diversas pesquisas. Em sua segunda versão, o ganho de velocidade colabora, e fica mais fácil colocar o brinquedo para trabalhar e justificar toda aquela grana gasta. Confira uma lista de aplicativos que deixará seu tablet pronto para os seus momentos de trabalho.

 

Navegadores



Atomic (US$ 0,99): Se você não anda muito satisfeito com o Safari e sua cara mobile para um aparelho de 9 polegadas, o Atomic é uma boa solução. Além de adicionar as já obrigatórias abas ao leque de opções, ele vem lotado de truques na manga, como modo privado, opção de salvar páginas para navegação offline, sugestões de URL e outros detalhes que o deixam mais próximo de um browser completo. Enquanto o iOS 5 não chega, é a melhor pedida.

 

Puffin (US$ 0,99): Ok, Steve Jobs não gosta de Flash. Isso nós já entendemos e, em partes, concordamos com a posição da Apple — o plugin da Adobe não parece nada pronto para o mundo móvel. Mas, às vezes, há situações em que o Flash ainda é indispensável. Para isso, existe o Puffin. Não espere que ele abra todas as páginas com Flash de forma exuberante — na verdade, ele costuma travar com frequência. Mas, para uma ou outra usada em momentos urgentes, eis a saída para burlar a filosofia da Apple.

 

Opera Mini (Grátis): Um dos navegadores mais rápidos de desktop, mas com poucos usuários em comparação aos concorrentes, repete sua sina também no iPad: o Opera Mini para iPad é veloz, renderiza bem as páginas, oferece abas e tem atalhos fáceis para compartilhamento de sites em redes sociais. Apesar de não ser muito bonito, ele tem como grande vantagem a compressão de dados, que diminui o consumo de informação — ideal para os usuários de 3G.

 

Para ler

Instapaper (US$ 5): Salva qualquer página da web que te interessa para uma leitura mais calma — e offline. Além de adaptar os textos para um formato de leitura mais suave (e ter opção de formatação de fonte, cor de fundo e tamanho das letras), o Instapaper é uma mão na roda para aqueles momentos sem conexão, já que tudo fica guardado localmente. Sem a necessidade de internet, dá para adiantar a leitura de qualquer lugar.

 

http://www.youtube.com/watch?v=Xb36C87nPEM

iBooks (Grátis): Recentemente, o app nativo de livros da Apple adicionou a função de leitor de PDFs. Agora, além de poder comprar livros pela App Store, é possível folhear arquivos diversos, que são dispostos na prateleira de madeira digital da Apple.

 

Reeder (US$ 3): Há dezenas de opções de leitores de RSS na App Store. Mas se você não quer gastar muito e gosta de uma exibição prática, fluida e bonita, o Reeder é uma boa pedida. Sincronizado ao Google Reader, o app mostra todas os seus feeds divididos em pastas, dá a opção de fazer anotações durante a leitura e exibe fotos e vídeos. Prático, simples e rápido.

 

http://www.youtube.com/watch?v=Rqx3oC-Jxmg

Documents To Go: (US$ 10): O canivete suíço de Office para iPad. Lê todas as extensões do Word, do PowerPoint e do Excel, além de oferecer uma edição prática e leitura de outros formatos, como PDF. A integração com o Google Docs e com o Dropbox torna a vida ainda mais fácil, sendo possível editar arquivos e jogá-los na nuvem instantaneamente.

 

Wikipanion Plus (US$ 5): Reza a lenda que somos a geração Google, mas eu prefiro ter a esperança de que seremos lembrados pela Wikipedia. Com este app, todo o acervo gratuito da maior enciclopédia online fica disponível em um formato bonito e prático. Pode custar o dobro de um joguinho bobo, mas pense bem: você prefere estourar frutas ou absorver conhecimento freneticamente?

 

Para escrever

iA Writer (US$ 5): Se engana quem diz que um notebook ou o teclado do desktop substitui a máquina de escrever clássica. Com o excesso de informação e coisas a se fazer, é difícil se focar em apenas escrever (reza a lenda que tem gente que trabalha só fazendo isso). Como o multitarefa do iPad é mais discreto, o iA Writer parece muito mais uma antiga máquina. Apenas uma tela branca, fonte como se fosse batida por teclas e um teclado virtual com uma linha extra cheia de artimanhas para escrever mais rápido. Pelo formato clean, dá vontade de escrever um livro inteiro nele. Como bônus de praticidade, há no teclado virtual dentro do app acentos para PT-BR, setas para direita e esquerda e “ctrl+seta”, para que você não precise ficar clicando na tela toda vez que quer voltar uma linha.

 

Evernote (Grátis): App essencial para quem quer sincronizar o que escreve no computador, no smartphone e no tablet em um só lugar. Se uma ideia surgiu bem no momento em que você ia sair do PC, nada melhor do que colocá-la em uma nota do Evernote e sincronizar com qualquer aparelho móvel. A facilidade em adicionar áudio e fotos (inclusive as tiradas com aquela camerazinha do iPad 2) facilita ainda mais a vida. Para quem acompanha uma aula ou palestra, poder anotar tudo, gravar o som e tirar  uma foto para referência futura é ótimo.

 

Springpad (Grátis): Seguindo o caminho do Evernote, o Springpad também sincroniza seus dados com computadores, smartphones e tablets, e é tão fácil de anotar informações quanto o concorrente — mas com menos opções para incrementar a nota. Mesmo assim, ele é simples e tem um design intuitivo. Como os dois são gratuitos, tudo depende de seu gosto.

 

Pages (US$ 10): O Word da Apple faz o que tem de ser feito: oferece mais opções de edição do que o normal, um layout simples e a sensação de que, sim, é possível produzir e escrever bastante no tablet da Apple. A facilidade em editar formatação e adicionar gráficos deixa tudo mais simples, e agora com a integração com iPhone 4 (e iPod touch), a ferramenta pode ser levada para qualquer lugar.

 

http://www.youtube.com/watch?v=aXK_L1gv_BY

Keynote (US$ 10): Se a sua vida depende da extensão .ppt (ou .pptx) e você tem um iPad, o Keynote é uma aquisição necessária. Apesar de não ter tantas opções de edição, o app é o que melhor faz o papel de PowerPoint móvel e, se você já está acostumado com o formato do Keynote para Mac, irá reconhecer vários elementos. Só não espere fazer muitas mágicas.

 

WordPress (Grátis): O sonho de escrever em seu blog sem sair da cama está mais perto de se realizar: o app do WordPress para iPad tem o necessário para você escrever e controlar seu site à distância. É possível moderar comentários, editar posts, escrever novas publicações, adicionando vídeos e fotos sem complicações. Se seu blog é complexo, tem vários plug-ins e recursos, provavelmente será difícil de ser completamente atendido aqui (não conseguimos resolver tudo nele para editar o Giz, por exemplo).

 

Os de sempre

Dropbox (Grátis): Arquivos na nuvem de forma fácil de sincronizar e com uma interface bonita, além de alguns gigabytes de graça. Se você ainda não tem Dropbox, pare de ler isso e vá para seu quarto refletir seus atos. A versão de iPad é prática, mas ainda deve um sistema de pré-visualização. Mesmo assim, é um dos melhores caminhos para colocar arquivos no iPad via wireless.

 

IM+ (10 dólares): Ok, 10 dólares pode parecer muito, mas pense bem: se tem algo que as pessoas fazem muito em smartphones e tablets é ficar papeando com as outras via Gtalk, MSN ou chat do Facebook. Entre as infinitas opções da App Store, o IM+ é o mais completo, com serviço de mapas e localização embutido, além de facilidade nas janelinhas. Se você não quer gastar nem um centavo, abra a mão pelo menos para clicar no imo, um cliente mais simples, porém gratuito, para jogar conversa fora.

 

Skype: (Grátis): Skype, com vídeochamada, em uma tela de 10 polegadas. Faz sentido, não? Se ficar exibindo seu lindo rostinho cheio de espinhas não é muito a sua praia, o chat e a possibilidade de conversa por voz gratuita entre usuários de Skype já vale o download.

 

FTP on the Go (7 dólares): Se você quer transferir arquivos de um lado para o outro, nada melhor do que um cliente de FTP completo, como se fosse um desktop, direto na tela do iPad. Por ele, é possível acessar o servidor, fazer download e upload de arquivos, criar ou descompactar arquivos ZIP e, para desenvolvedores, facilita a atualização de sites sem ter de sentar no PC, com pré-visualização de mudanças.

 

AppAdvice (2 dólares): Estes podem ser os dois dólares mais bem gastos em seu iPad, seguindo a tese de “perder para ganhar”. Ter um iPad significa gastar alguns bons trocados em apps de todos os tipos, e no final do dia a conta pode ter extrapolado o limite com muita, mas muita facilidade. O AppAdvice ajuda a diminuir os gastos, atualizando diariamente uma lista de apps com redução de preço, além de oferecer guia de apps e notícias. E além desses dois dólares, não esqueça de baixar o gratuito AppShopper, que também informa as melhores ofertas do dia.

 

E vocês, caros usuários de iPad? Têm alguma indicação de app que esquecemos? Curiosos com o tablet, algum tipo de aplicativo de produtividade que vocês sentem falta aí? Deixem suas inquietações nos comentários.