O pequeno Proteus, apenas 2.5 vezes mais grosso que um fio de cabelo humano, é pequeno o suficiente para entrar na corrente sanguínea e executar procedimentos que antes só eram possíveis com cirurgias de verdade.

Pesquisadores autralianos, da Universidade de Monash, desenvolveram este pequenino dispositivo para diminuir o risco de operações cirúrgicas mais invasivas. O Proteus tem uma câmera e vários outros sensores, que podem monitorar muito bem um paciente sem os perigos que envolvem a parte de "cortar e costurar" das cirurgias convencionais. Ele anda na corrente sanguínea, usando uma cauda que gira até a 1295 RPM. Para captar energia, usa piezoeletricidade (com a pressão mecânica de suas partes, ele consegue criar energia).

E além de tudo, parece um espermatozóide. [GizMag]