Superstições – transmitidas através de gerações ou desenvolvidas espontaneamente em alguns fóruns online – consomem milhares de horas produtivas por ano. Mas seria errado dizer que todo esse tempo gasto evitando escadas ou rachaduras na calçada é desperdiçada.

Por um lado, provavelmente estaríamos gastando esse tempo em atividades igualmente inúteis, como trabalhar. Por outro, as superstições são agentes de ligação essenciais entre pessoas, gerações e alguma noção vaga do passado, de onde surgiu a maioria dessas superstições e de onde, presumivelmente, elas faziam mais sentido.

Para saber mais sobre quais superstições têm alguma base em fatos, para o Giz Pergunta desta semana, contatamos vários especialistas da área.

Neil DagnallKen Drinkwater

Professor de Psicologia Cognitiva Aplicada, Universidade Metropolitana de Manchester e  professor Sênior de Cognição e Parapsicologia, Universidade Metropolitana de Manchester, respectivamente.

Achar a verdadeira base das superstições é incrivelmente difícil, porque a maioria data de muitos séculos. Isso significa que o significado original é fonte de muito debate e conjectura. Além disso, em alguns casos, os termos de referência/contexto mudam ao longo do tempo.

Por exemplo, muitos estudiosos afirmam que a má sorte associada a andar por baixo de escadas remonta aos tempos egípcios. Isso deriva do fato de que uma escada apoiada em uma parede cria a forma de um triângulo. O triângulo era um símbolo importante na cultura egípcia antiga. Uma associação possível é com a trindade divina. Essa conexão supõe que quebrar o triângulo representa profanação dos deuses.

A má sorte e as escadas remontam também à morte de Cristo. Os cristãos se referem o fato de uma escada descansar contra o crucifixo. Consequentemente, escadas apoiadas em uma superfície plana simbolizam traição e morte. Uma conexão mais recente entre escadas e infortúnios está ligada à observação de que criminosos na Inglaterra durante o século 17 andavam sob uma escada a caminho da forca para encontrar o carrasco.

Em um nível de adaptação, a crença na boa sorte pode aumentar a confiança e facilitar o sucesso. O efeito surge porque superstições positivas fornecem segurança psicológica, reduzindo a ansiedade e criando uma ilusória sensação de controle.

Em formas extremas, no entanto, as superstições podem se auto-reforçar na medida em que a falha em realizar um ritual pode realmente produzir ansiedade. Isso pode ocorrer mesmo quando um indivíduo está ciente de que o resultado depende da habilidade/técnica, e não de forças sobrenaturais. Uma ilustração clássica da relação entre sorte e habilidade é a citação frequentemente atribuída a jogadores de golfe famosos: “quanto mais você trabalha (pratica), mais sorte você tem”.

Outra consequência positiva potencial das superstições é que elas podem incentivar a verificação preventiva, o que potencialmente reduz erros e enganos. Embora essa preocupação possa se tornar excessiva, gerando ansiedade e possivelmente levar a um comportamento de distração ou evasão. Da mesma forma, a crença na má sorte pode levar à falta de sucesso na forma de profecia negativa de auto-realização. Quando as pessoas acreditam incorretamente que o fracasso é predeterminado e inevitável.

“Em um nível adaptável, a crença na boa sorte pode aumentar a confiança e facilitar o sucesso. O efeito surge porque superstições positivas fornecem segurança psicológica, reduzindo a ansiedade e criando uma ilusória sensação de controle. Em formas extremas, no entanto, as superstições podem se auto-reforçar, na medida em que a falha em realizar um ritual pode realmente produzir ansiedade”.

Mark D. Griffiths

Professor ilustre de Vício Comportamental, Nottingham Trent University

Minha formação é no campo dos estudos sobre jogos de azar, portanto, no que me diz respeito, nenhuma superstição é baseada em fatos, mas no que eu chamaria de ‘correlações ilusórias’ (por exemplo, percebendo que as três últimas visitas vencedoras ao cassino foram todas quando você usava uma determinada peça de roupa ou em um dia específico da semana). Embora a observação possa ser baseada em fatos (ou seja, você realmente usou uma determinada peça de roupa), a relação é falsa.

A falibilidade da razão humana é a maior fonte da crença supersticiosa. A superstição pode abranger muitas esferas, como ações de sorte ou azar, eventos, números e/ou ditados. Uma definição de trabalho dentro de nossa sociedade ocidental pode ser a crença de que uma determinada ação pode trazer boa ou má sorte quando não há motivos racionais ou geralmente aceitáveis ​​para tal crença. Em suma, a característica fundamental subjacente às superstições é que elas não têm bases racionais.

Há também uma visão estereotipada de que existem certos grupos na sociedade que tendem a ter crenças mais supersticiosas do que aquilo que pode ser considerado a norma. Isso inclui os envolvidos com o esporte, a profissão de ator, pescadores e apostadores – muitos dos quais terão superstições baseadas em coisas que aconteceram pessoalmente a eles ou àqueles que conhecem bem. Novamente, eles podem muito bem ser baseados em fatos, mas as associações que eles experimentaram serão novamente ilusórias e espúrias.

A maioria das pessoas é basicamente racional e não acredita realmente nos efeitos da superstição. No entanto, em tempos de notada incerteza, estresse ou desamparo, eles podem tentar recuperar o controle pessoal sobre os eventos através de crenças supersticiosas.

Uma explicação de como aprendemos essas crenças supersticiosas foi sugerida pelo psicólogo BF Skinner e sua pesquisa com pombos. Enquanto esperavam para serem alimentados, os pombos de Skinner adotaram alguns comportamentos peculiares.

Os pássaros pareciam ver uma relação causal entre receber a comida e seu próprio comportamento anterior. No entanto, era apenas um condicionamento coincidente. Existem muitas analogias no mundo humano – principalmente entre os apostadores. Por exemplo, se um jogador sopra nos dados antes de lançá-los e depois ganha, a crença supersticiosa é reforçada pela recompensa de ganhar. Outra explicação é que, quando crianças, somos socializados para acreditar em crenças mágicas e supersticiosas. Embora muitas dessas crenças se dissipem com o tempo, as crianças também aprendem observando e modelando seu comportamento com o dos outros. Portanto, se seus pais ou colegas batem na madeira, carregam amuletos da sorte e não andam debaixo de escadas, é mais provável que as crianças imitem esse comportamento, e algumas dessas crenças podem ser levadas adiante para a vida adulta.

“Se um jogador sopra nos dados antes de lançá-los e depois ganha, a crença supersticiosa é reforçada pela recompensa de ganhar”.

Phillips Stevens

Professor Associado de antropologia, Universidade de Buffalo

Por que evitamos andar por baixo de escadas? Existe uma teoria muito longínqua que sugere que uma escada encostada a uma parede forma uma figura de três lados, e caminhar por ela é uma violação da trindade. Mas para mim, a melhor explicação é: algo pode cair sobre você. Tal como acontece com alguns tabus alimentares e alguns rituais sobre matéria fecal ou a preparação dos mortos, essas são práticas de comportamento que assumiram a forma de um tabu mágico ou habitual.

Mas existem outros significados da palavra “fato”. Para milhões de pessoas, é um “fato” que existem forças no mundo, forças místicas, que operam entre as coisas e que as pessoas podem ativar essas forças de maneiras que possam causar dano ou bem.

As forças de que estou falando se baseiam em princípios fundamentais que agora parecem absolutamente universais no pensamento humano. O primeiro tem a ver com semelhanças: a idéia de que coisas que se assemelham a outras terem uma relação causal. Os rituais religiosos que repetiam o evento que estão comemorando têm esse elemento neles. A superstição sobre o número 13 – especialmente sexta-feira 13 – deriva da história da última ceia de Jesus: era uma noite de quinta-feira e havia 13 pessoas naquela mesa. Mais tarde naquela noite ocorreu a prisão, e no dia seguinte foi a crucificação. A ideia é que fazer algo que tenha resultado tão trágico no passado pode trazer um resultado trágico hoje.

O segundo princípio é o contato: a idéia de que coisas que estiveram em contato físico real com outras coisas retêm esse contato depois de separadas. O contato pode ser direto/físico ou temporal/espacial – pense: ‘Eu estava naquela arena quando [o jogador de beisebol] Barry Bonds fez seu 800º home run’. A bola que Barry Bonds acertou foi vendida por mais de US $ 800.000, por causa do princípio do contato, e por seus próximos feitos a bola estava à venda por menos, porque sua reputação havia sido manchada por um escândalo de drogas.

Você evita fazer as coisas por causa de um desses dois princípios. Você evita pisar em uma rachadura, porque uma rachadura representa dano, e entrar em contato com ela pode espalhar esse dano; você evita abrir um guarda-chuva em casa, porque um guarda-chuva foi projetado para ser aberto do lado de fora, durante uma tempestade, e tempestades representam perigo. Você pode pegar muitas outras superstições e aplicar a mesma explicação a elas.

“Você evita fazer as coisas por causa de um desses dois princípios. Você evita pisar em uma rachadura, porque uma rachadura representa dano, e entrar em contato com ela pode espalhar esse dano; você evita abrir um guarda-chuva em casa, porque um guarda-chuva foi projetado para ser aberto do lado de fora, durante uma tempestade, e tempestades representam perigo”.

Martha Bayless

Professora de inglês e diretora de folclore e cultura pública da Universidade de Oregon

Eu diria que, de certa forma, todas as superstições têm base na realidade. Superstições são apenas uma maneira de tentar controlar algo que parece fora de controle – são um sinal que mostra com o que nos preocupamos. Por exemplo, aqui no Oregon (e talvez onde você está), muitas pessoas têm uma superstição em que tocam o teto do carro quando passam por um cruzamento ou um semáforo amarelo. (Espero que os passageiros estejam fazendo isso, não o motorista!) É realista pensar que atravessar um cruzamento, especialmente em uma luz amarela, é mais arriscado do que o normal. Portanto, é uma superstição que mostra onde pensamos que está o perigo.

Mas você provavelmente está se perguntando: quais são as superstições onde a ação realmente funciona? Uma que funciona até certo ponto é o sal. Existem muitas superstições envolvendo sal. Talvez a mais familiar seja que, se você derramar sal, precisa jogar um pouco por cima do ombro. Considera-se que o sal tem sorte e preserva a saúde há milênios.

Às vezes, as pessoas dão sal como presente em ocasiões especiais como um símbolo de boa sorte. Costumava haver uma tradição de que as pessoas que frequentavam um batizado dariam sal para garantir a saúde do bebê. E o sal dá saúde, porque preserva os alimentos e evita que estrague. É por isso que a manteiga sempre foi salgada e o bacon e o presunto são tão salgados. Portanto, essa superstição é verdadeira – o sal evita danos. Jogando por cima do ombro – nem tanto. Mas preservando a comida com ele – não é de admirar que o valorizemos tanto.

Outro que tem alguma validade é a excitação extra que vem com a lua cheia. As pessoas costumam pensar que a lua cheia é quando ocorrem todos os tipos de travessuras. E costumava ser verdade! Isso porque, antes da eletricidade, as pessoas podiam ficar acordadas até tarde e festejar apenas nas noites de lua cheia – porque conseguiam ver o caminho de casa. A lua cheia é a hora de festejar. Você até encontra em Jane Austen – em Razão e Sensibilidade, alguém tenta fazer uma festa, mas é lua cheia e todo mundo já tem festas de mais para ir. Esquecemos como é impossível chegar em casa quando está escuro como breu, sem luz artificial, então esquecemos por que as pessoas costumavam agir como literalmente “lunáticos” na lua cheia.

“O sal é benéfico à saúde, porque preserva os alimentos e evita que estrague … Portanto, essa superstição é verdadeira – o sal evita danos. Jogá-lo por cima do ombro – nem tanto.

Lisa Gabbert

Professora Associada de Inglês e Diretora do Programa Folclore da Universidade Estadual de Utah

Do ponto de vista de um folclorista, a maioria, se não todas, as superstições são racionais. Elas apenas tendem a seguir sua própria lógica e racionalidade, o que geralmente não é a lógica da ciência. Por exemplo, muitas superstições seguem a lógica da magia contagiosa, que afirma que as coisas que entram em contato umas com as outras se influenciam. Essa é a lógica por trás da idéia, por exemplo, de que alguém pode influenciar um indivíduo se conseguir suas unhas ou cabelos. Pode estar incorreto, mas tem sua própria lógica.

No passado, todo raciocínio não científico era considerado ilógico ou irracional, incluindo superstições tradicionais. Os folcloristas não usam mais o termo “superstição” exatamente porque o termo é pejorativo e indica uma postura de irracionalidade. Preferimos o termo “crença popular”, que é mais neutro.

“Do ponto de vista de um folclorista, a maioria, senão todas, as superstições são racionais. Eles apenas tendem a seguir sua própria lógica e racionalidade, o que geralmente não é a lógica da ciência”.