por Bruno Izidro

Quantum Break certamente é uma das experiências de jogo mais estranhas dos últimos tempos. Tudo porque ele é mais que um game, ele também é uma série com atores reais que vai te fazer largar o controle de tempos em tempos pra acompanhar um episódio de cerca de 20 e poucos minutos. Tudo, porém, está no mesmo disco do jogo que chega nesta terça-feira (5) ao Xbox One e Windows 10.

>>> Os bastidores do desenvolvimento de Quantum Break
>>> Como a parte live action de Quantum Break se conecta com o jogo

O formato de jogo + série pode agradar alguns, mas também pode soar mais forçado pra outros. Eu definitivamente gostei, não só pela união até que natural de videogames com uma linguagem mais cinematográfica, mas principalmente porque a série serve como um ponto de vista diferente para a história que está sendo contada no game, focando-se somente no desenvolvimento dos vilões.

Quantum-Break-tv-show

No entanto, não é essa caraterística que chega a importar tanto em Quantum Break, porque mais interessante do que ser uma série de TV ou jogo, é perceber como a desenvolvedora Remedy consegue usar o conceito do tempo como uma mecânica pra jogabilidade e também como uma ferramenta narrativa para a história, o que é tanto o lado positivo quanto a principal falha do game.

O tempo em suas mãos

Tempo é poder e em Quantum Break isso é levado de forma literal. Os poderes do protagonista Jack Joyce são todos baseados em manipulação do tempo, seja usando a visão temporal pra identificar os inimigos no cenário, criar espaços onde tudo passa mais devagar ou até se deslocar no espaço-tempo de forma a pegar inimigos de surpresa. O grande ponto positivo do jogo é justamente saber usar esses poderes pra impactar positivamente a jogabilidade.

Embora dê pra encarar Quantum Break como um shooter padrão, o seu real potencial só aparece quando se faz bom uso da combinação de poderes. Conforme o jogo progride, mais o personagem ganha novas habilidades (no total são seis), e cada uma delas oferece novas formas de abordar as ondas de inimigos que o jogo coloca como desafio.

É possível fazer um soldado parar no tempo de um lado, enquanto você usa o poder da esquiva temporal pra flanquear outros dois sem ser percebido. Isso feito de forma bem simples e intuitiva de apertar de botões. Já pra tudo não ficar muito poderoso demais, cada uma das habilidades precisa de um tempo pra recarregar até ser usada novamente.

Quantum Break também não é um jogo somente sobre dar tiros. Sabendo que só ter combate deixaria o ritmo cansativo rapidamente, a Remedy também acrescentou trechos breves, mas muito bem elaborados de desafios de plataforma, onde o jogador deve usar dos poderes temporais para desviar e escapar de escombros que estão desabando, ou pontes que estão caindo. Isso enquanto estão instáveis em espaço-tempo maluco, o que gera alguns efeitos visuais bem maneiros.

Futuro do pretérito

Para Quantum Break, o tempo é o elemento essencial pra sua jogabilidade, como acabamos de ver, mas também é o tema em torno do qual gira a história do jogo. Só que, infelizmente, essa narrativa é cheia de falhas.

O grande conflito em Quantum Break é impedir o fim dos tempos, literalmente. Depois que um experimento de viagem no tempo dá errado, é criado uma ruptura temporal que vai fazer o tempo parar e, junto com ele, todos nós. É por causa desse incidente que o protagonista Jack Joyce ganha os seus poderes.

quantumbreak

O problema é que, como toda história de viagem no tempo, o enredo de Quantum Break é meio confuso, com o propósito dessas viagens e as consequências que elas geram difíceis de entender. São diferentes versões do personagem que estão na mesma linha de tempo ou no mesmo lugar, mas em tempos diferentes e por aí vai. Olha que o jogo ainda é cheio de explicações científicas e outros tecno-blá-blá-blá, mas que só deixam as coisas piores.

Ainda há a mecânica de escolha de decisões pra saber qual rumo a história vai tomar. Funciona assim: em cada um dos cinco atos que formam o game, há um segmento chamado Bifurcação. Nele controlamos o vilão Paul Serene e sempre temos duas escolhas a serem feitas, cada uma com consequências diretas do que vai ser mostrado tanto no episódio da série que será exibido em seguida, como no contexto geral do game. Aí vai desde matar ou não um personagem, ou lidar de formas diferentes diante de um impasse.

Na primeira vez que se joga, beleza, essas escolhas parecem ter um impacto bem grande na história, mas ao jogar uma segunda vez e escolher as outras opções, a narrativa do jogo se mostra praticamente a mesma, só mudando como alguns eventos acontecem – no final, eles sempre vão acontecer do mesmo jeito. Isso é uma pena não só porque dá uma sensação de falsa escolha, mas principalmente por Quantum Break dar bastantes importância à narrativa para se ter uma experiência de jogo melhorada, mas que só acaba sendo falha.

Quantum Break é um projeto ambicioso e quer ser várias coisas. É um jogo, uma série de TV, uma história sobre viagem no tempo. Algumas dessas vertentes são inovadoras, como o seriado; outras falham em entregar algo mais bem resolvido, como sua narrativa. Pelo menos como jogo – o que ainda ocupa boa parte da experiência aqui – Quantum Break ainda se sobressai de forma positiva. Afinal, tudo fica mais divertido quando se tem o tempo, literalmente, em suas mãos.

*Quantum Break está disponível pra Xbox One e Windows 10, com legendas e dublagem em português. A cópia pra análise foi cedida pela Microsoft.