Cultura

Rave “Universo Paralello” atacada pelo Hamas nasceu no Brasil; saiba mais

Festival "Universo Paralello" surgiu no Brasil no ano 2000, sendo criado pelo pai do DJ Alok. Rave realizava a sua primeira edição em Israel
Imagem: Twitter/Reprodução

No último final de semana, durante os ataques em Israel, um dos primeiros alvos do Hamas foi uma rave organizada pela “Universo Paralello” — um festival que teve origem no Brasil. Inclusive, o criador dele é nada menos que Juarez Petrillo, pai do DJ Alok.

O evento “Tribe of Nova: Edição Universo Paralello” ocorria em uma área rural na região de Kibbutz Reim, perto da Faixa de Gaza. Na manhã de sábado (7), o Hamas atacou o local e matou centenas de pessoas que estavam na festa.

Os frequentadores da rave afirmaram que o ataque foi uma verdadeira “cena de filme de terror”. Segundo o grupo voluntário de resgate Zaka, pelo menos 260 pessoas morreram durante o ataque à rave.

Universo Paralello

Swarup, nome artístico de Juarez Petrillo, é o criador da rave Universo Paralello. O festival de música eletrônica surgiu no Brasil no início dos anos 2000, inicialmente no estado de Goías. Atualmente, o evento acontece de dois em dois anos no litoral da Bahia.

A rave costuma acontecer em locais abertos, com duração de mais de um dia. A popularidade do evento no cenário de música eletrônica — um marco na trance music — resultou em edições internacionais.

Israel já era conhecido mundialmente pelo seu cenário de música eletrônica e a rave Universo Paralello chegava ao país, pela primeira vez, para celebrar o final do festival religioso Sukkot.

De acordo com a Billboard, a Universo Paralello não iria acontecer na região de Kibutz Reim, mas em outro local no sul de Israel. No entanto, os organizadores da rave tiveram problema com o local original e moveram o festival para Kibutz Reim dois dias antes dos ataques do Hamas.

Um vídeo compartilhado no X (antigo Twitter) mostra imagens captadas por um drone da destruição no local da rave. Veja abaixo:

Organizadores do evento comentam sobre ataque

De acordo com as IDF (Forças de Defesa de Israel), dezenas de pessoas que estavam na rave estão desaparecidas. Entre eles, três brasileiros estavam na rave dessa edição do Universo Parallelo em Israel, com o ataque deixando um ferido e dois desaparecidos.

Além disso, um dos DJs da line-up do evento é o próprio Swarup. Ele registrou imagens do ataque do Hamas à rave e está um bunker aguardando retorno ao Brasil. Veja as imagens:

No Instagram, o perfil oficial da “Universo Paralello” comentou sobre o ataque à rave em Israel. No post, a organização do festival afirma se solidarizar com as vítimas, e destaca que a marca “Universo Paralello” é licenciada para eventos fora do Brasil, incluindo festivais realizados na Índia, Espanha, Portugal, Tailândia, México, França e, finalmente, em Israel.

https://www.instagram.com/p/CyJHmqLOdSb/

Por outro lado, Alok reiterou essa informação em uma publicação no X ao revelar a situação de seu pai. “Como muitos de vocês sabem, o meu pai estava em um desses locais invadidos e sobre a relação dele com o evento em que estava, ele não é o realizador. O meu pai foi CONTRATADO a se apresentar em um evento que licenciou os direitos de uso do nome do festival, como já aconteceu em diversos outros países”, disse o DJ.

Assine a newsletter do Giz Brasil

fique por dentro
das novidades giz Inscreva-se agora para receber em primeira mão todas as notícias sobre tecnologia, ciência e cultura, reviews e comparativos exclusivos de produtos, além de descontos imperdíveis em ofertas exclusivas