Pesquisadores do Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos, afirmam que um grupo de pessoas que apresentou sintomas suspeitos ligados às vacinas contra Covid-19 provavelmente experimentou um breve surto de ansiedade. Ou seja, os casos em nada estariam relacionados à eficácia dos imunizantes.

No início de abril, surgiram vários relatos de que pessoas em pelo menos cinco locais de vacinação diferentes nos EUA apresentaram sintomas quase imediatos após a vacinação. Esses sintomas incluíam predominantemente desmaios, bem como tonturas, vertigens e respiração acelerada. Os incidentes, que envolveram pessoas que receberam a vacina de dose única da Janssen (braço farmacêutico da Johnson & Johnson), levaram ao fechamento temporário de vários locais, e tanto as autoridades de saúde locais quanto o CDC se comprometeram a examinar o assunto.

Por fim, os funcionários do CDC analisaram 64 casos documentados em cinco locais de vacinação, entre os dias 7 e 9 de abril, além de entrevistarem profissionais da saúde que estavam presentes no local no momento da aplicação das doses. Também foram verificados os dados de segurança do mundo real coletados por meio do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas.

Apesar de algumas pessoas terem visitado o hospital posteriormente e os incidentes fecharem quatro desses locais, nenhum dos sintomas foi considerado grave, e a maioria dos pacientes se sentiu melhor em 15 minutos. Outras 17 pessoas desmaiaram, enquanto mais da metade sentiu vertigem e tontura; cerca de um terço sentiu náuseas e/ou vômitos. E 13 pacientes também disseram aos funcionários que já haviam desmaiado no passado por medo de agulhas ou vacinas.

Os resultados da investigação do CDC foram publicados na última sexta-feira (30) em seu Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade (MMWR).

Assine a newsletter do Gizmodo

É sabido que desmaios e sintomas semelhantes de curto prazo às vezes podem ocorrer após a vacinação. E não parece ter sido encontrado nada na investigação do CDC desses casos ou nos dados de segurança que aponte para qualquer outra causa desses sintomas além da ansiedade. Em seu relatório, os autores observaram que esses incidentes aconteceram antes de se tornarem públicos os relatos recentes de uma condição rara de coagulação do sangue que, possivelmente, está ligada à vacina da Johnson & Johnson. Após uma breve pausa, o uso da vacina foi retomado, agora com um alerta sobre o risco.

Como a injeção da J&J é uma dose única, é possível que as pessoas mais propensas a ficar ansiosas com as vacinas também optem por ela com mais frequência, o que poderia ser responsável pela maior incidência de desmaios relacionados à vacina. Também é possível que a cobertura da mídia sobre os primeiros incidentes em 7 de abril (ou apenas ver alguém desmaiar pessoalmente) só tenha aumentado a ansiedade das pessoas.

Dito isso, um dos primeiros membros do público a tomar a vacina da Pfizer em dezembro passado — uma enfermeira no Tennessee — desmaiou minutos após receber a primeira dose. Na ocasião, a enfermeira lembrou que ela tinha histórico de desmaios.

Como os autores do estudo do CDC pontuaram, “o estresse de uma pandemia em andamento também pode aumentar a ansiedade em torno da vacinação contra Covid-19”.

Lembrando que o governo federal aqui no Brasil fechou um contrato para a compra de 38 milhões de doses do imunizante de dose única da Janssen. As entregas devem acontecer nos próximos meses, já que o contrato prevê a entrega das últimas doses até dezembro de 2021.