A Apple apertou o freio e reduziu em 20% a produção para o próximo trimestre do novo iPhone SE, de 3ª geração. Segundo o analista Ming-Chi Kuo, a estimativa é que a venda da linha de aparelhos fique entre 15 a 20 milhões de unidades em 2022, ante os 25 a 30 milhões previstos anteriormente.

De acordo com o site Nikkei Asia o corte na produção é motivado pelas incertezas sobre o fim da guerra na Ucrânia, assim como o aumento da inflação sobre os produtos eletrônicos de consumo.

Vale lembrar que a Apple cortou a comercialização de todos os produtos (inclusive iPhones) em solo russo. Além disso, a empresa prevê queda nas vendas na China, onde os prazos de entregas estão maiores, a coleta de produtos em lojas físicas estão limitados devido a bloqueios decorrentes da Covid, além do aumento da concorrência local com fabricantes rivais.

Além do iPhone SE, a Apple também está reduzindo os pedidos de AirPods em cerca de 10 milhões de unidades para este ano. Consultada pela CNBC, a Apple não quis comentar sobre aos cortes.

iPhone SE

Lançado no último dia 18 de março, o novo iPhone SE é muito parecido visualmente com a versão lançada em 2020, com a vantagem de ter o chip A15 Bionic (o mesmo usado nos iPhones 13), conectividade 5G e uma câmera traseira com um novo algoritmo de processamento de imagens.

Apesar de ser considerado um modelo de “baixo custo”, a verdade é que o iPhone SE não é o mais popular da empresa. A versão 2020, por exemplo, representa apenas 12% de todas as vendas de aparelhos iPhones.

No Brasil, a pré-venda do novo iPhone SE começa no dia 1º de abril, com preços a partir de R$ 4.199. A venda oficial começa no dia 8 de abril.

Porém, se você não faz tanta questão do chip A15 ou da conectividade 5G, o iPhone SE de segunda geração está saindo — no momento do fechamento desta matéria — por R$ 2.609 no site da Amazon (link da oferta aqui).

Apple iPhone SE (64 GB)
O iPhone SE vem com um chip poderoso e com aquele tamanho compacto que encaixa na sua mão...
Veja

 

O Gizmodo Brasil pode ganhar comissão sobre as vendas. Os preços são obtidos automaticamente por meio de uma API e podem estar defasados em relação à Amazon.