Uma equipe de cientistas acha que encontrou a evidência mais antiga de um meteorito atingindo e matando uma pessoa, de acordo com um novo artigo publicado na revista Meteoritics & Planetary Science.

Há surpreendentemente poucos registros de meteoritos atingindo pessoas, muito menos matando alguém. Porém, cientistas da Universidade Ego e da Universidade Trakya, na Turquia, e do Instituto SETI, nos Estados Unidos, encontraram um registro de 1888 na Direção Geral de Arquivos Estaduais da Presidência da República da Turquia, que contém três manuscritos que parecem relatar uma morte causada por um meteorito.

O primeiro manuscrito, escrito em 13 de setembro de 1888, detalha uma bola de fogo ocorrido em uma noite do mês anterior, sobre uma vila cuja localização exata os cientistas não puderam determinar. Fumaça e fogo acompanharam o flash, e meteoritos choveram do céu por 10 minutos. Um homem morreu e outro ficou ferido e paralisado como resultado do evento.

Um segundo manuscrito continha um pedido encaminhado ao sultão Abdul Hamid II, perguntando o que deveria ser feito sobre o evento. Um terceiro também relata os eventos e menciona que um homem chamado Ahmed Munir Pasha enviou uma carta com “um pedaço de pedra” ao Grande Vizir.

Basicamente, é isto: em 22 de agosto de 1888, um meteoro explodiu sobre uma vila na Turquia, matando um homem e paralisando outro. Em 13 de setembro, um legislador local relatou o evento; o governo central soube disso em 8 de outubro; e o sultão soube disso em 9 de outubro, de acordo com as traduções do novo artigo, intitulado “Primeiras evidências de morte e ferimento por um meteorito”.

A tradução desses documentos trouxe seus desafios — o turco otomano é difícil de ler, explicaram os cientistas. Os pesquisadores observaram que ainda há muito mais registros aguardando digitalização, e eles não têm nenhuma evidência física do impacto de 1888. Independentemente disso, este seria o registro mais antigo conhecido a trazer o relato de que um meteorito matou alguém.

As mortes por meteoritos são extremamente raras. Mais recentemente, um motorista de ônibus na Índia chamado V. Kamaraj morreu em uma aparente queda de meteorito em Natrampalli em 2016, embora especialistas científicos, inclusive na NASA, refutassem a alegação.

O Conselho Nacional de Recursos dos EUA estima que 91 pessoas devem morrer em acidentes relacionados a meteoritos por ano, mas não há registros dessas mortes. Lesão por meteorito é talvez mais comum — mais de 1.600 pessoas ficaram feridas quando um meteoro caiu sobre Chelyabinsk, na Rússia, em 2013. Um caso famoso é o de Ann Hewlett Hodges: ela foi atingida e levemente ferida por um meteorito no Alabama em 1954.

A Terra é grande o suficiente para que as chances de morrer devido ao impacto de um meteorito sejam extremamente pequenas. Talvez o mais preocupante, no entanto, sejam eventos como Chelyabinsk, onde uma rocha maior atinge um local perto de uma área urbana. Os cientistas estão trabalhando para proteger o planeta de um acidente desse tipo, mas eles têm muito trabalho a fazer.

Mas não se preocupe, você provavelmente não vai morrer de meteorito. Provavelmente.