O tempo fechou para a Huawei nesta quinta-feira (28). Um relatório do Centro de Cibersegurança Nacional do Reino Unido encontrou “defeitos estruturais” na engenharia de software e processos de segurança da empresa. De acordo com as autoridades britânicas, as brechas poderiam ser utilizadas por hackers independentes ou por governos, apresentando riscos para a segurança nacional.

A Huawei é a maior fabricante de equipamentos de telecomunicações do mundo e peça chave na instalação da infraestrutura da tecnologia 5G. A companhia vem sofrendo acusações dos Estados Unidos, que afirmam que a tecnologia da Huawei poderia ser cooptada pelo governo chinês para fins de espionagem. A empresa nega.

Apesar da pressão dos EUA, diversos países ignoraram os alertas e seguiram adiante em parcerias com a Huawei – Alemanha, Índia e os Emirados Árabes Unidos já sinalizaram que devem fechar contratos com a companhia.

O relatório britânico aponta para falhas de segurança, reforçando que foram encontrados “problemas técnicos significativos nos processos de engenharia da Huawei, levando a novos riscos nas redes de telecomunicações do Reino Unido”. Porém, o documento não impõe restrições nem bane a companhia do país.

Em um comunicado, a Huawei disse que “compreende as preocupações e as leva a sério”.

De acordo com o New York Times, o relatório aponta que a empresa não consegue replicar boa parte do software que desenvolve e que, por isso, as autoridades não puderam se assegurar sobre qual código estava sendo introduzido nas redes sem fio do país. Eles acrescentaram que a Huawei não supervisionava os fornecedores que entregavam componentes para seus produtos.

Desde 2010, o Reino Unido tem um conselho encarregado de supervisionar as operações da Huawei. Os produtos e os códigos da empresa são analisados em um laboratório de segurança a cerca de 110 quilômetros de Londres. O conselho disse que a Huawei não teve “progresso material” na resolução de falhas de segurança identificadas no relatório do ano passado.

As autoridades não acreditam que os defeitos encontrados sejam “resultado da interferência estatal chinesa”.

Banir as operações da Huawei pode representar perdas econômicas significativas, uma vez que a adoção do 5G ficaria comprometida. De acordo com o Guardian, a participação da empresa chinesa nos planos de disponibilização do 5G no Reino Unido deve ser definida nas próximas semanas, após uma análise governamental do mercado de infraestrutura e telecomunicações.

[The New York Times, The Guardian]