Não é só no campo dos smartphones que a Samsung costuma anunciar uma cacetada de aparelhos – fica até difícil acompanhar as dezenas de Galaxy S, Galaxy M, Galaxy A, e por aí vai. Quando a marca sul-coreana revela uma nova linha de notebooks, ela traz consigo uma baciada de modelos, com diferentes especificações e preços para agradar todos os gostos e bolsos.

Nas últimas três semanas, tive a oportunidade de testar uma dessas opções: o Samsung Book X45. É um meio termo entre o aparelho mais básico e o mais avançado da última família de notebooks da Samsung, lançada em junho de 2020. E como um bom intermediário, tenta mesclar o melhor de dois mundos, trazendo processador Intel Core de 10ª com 8 GB de RAM, tela de 15,6 polegadas e uma carcaça de plástico com jeitão de dispositivo premium.

O preço? Em média, R$ 4.500. E agora eu te conto se o X45 vale ou não tudo isso.

Samsung Book X45

O que é
Notebook intermediário com processador de última geração e acabamento que simula um laptop premium
Preço
Sugerido: R$ 4.829 | No varejo: em média R$ 4.500
Gostei
Ótima conectividade (muitas portas e saídas); desempenho satisfatório
Não gostei
Tela em baixa resolução; a carcaça é frágil; bateria de pouca duração

Por fora

De uns tempos para cá, a Samsung vem apostando em notebooks mais quadradões nas laterais, sem aquele formato levemente arredondado. E não é para menos: isso dá um ar mais refinado ao produto, o que preserva um aspecto moderno mesmo em um aparelho intermediário.

O X45 não foge a essa regra. O notebook é revestido por uma carcaça fosca na cor prata que simula um metal bem resistente, e com a vantagem de ser um pouco mais tolerante a marcas de dedos e sujeira. É também um aparelho relativamente leve, pesando menos de 2 kg. Para um modelo mediano, a Samsung caprichou no design.

Claro que, ao ganhar de um lado, você perde de outro: o X45 é inteiramente feito de plástico (por isso o peso menor do que alguns concorrentes da categoria). Particularmente, não senti muita firmeza ao segurá-lo no colo ou na beirada de superfícies mais altas, pois o material me passou a impressão de ser bastante frágil. Na maior parte do tempo, eu usei em cima de uma mesa ampla e ali ele ficava até que eu o desligasse. Não que isso tenha atrapalhado minha experiência – afinal, é comum ter um sentimento de apego a algo novo. Por causa do preço (que a gente vai falar no final desta análise), eu só esperava um acabamento mais reforçado.

Portabilidade também não é um ponto forte do X45, uma vez que não é um notebook assim tão pequeno, com seus quase 36 cm de largura e 25 cm de profundidade. Mas sinceramente? Isso não deve ser algo que interfira na usabilidade, já que, por ser mais espesso, o X45 oferece as principais conexões que a maioria das pessoas espera encontrar em um laptop.

Na lateral esquerda, temos uma porta Gigabit Ethernet, uma USB-C, uma USB 3.0 tipo A, uma entrada HDMI e conexões para fones de ouvido e microfone. Do lado esquerdo, há uma porta USB 2.0 tipo A, um leitor para microSD e um slot para trava de segurança.

Por dentro

Com os novos Samsung Books, a companhia optou por não permitir muita personalização no que diz respeito às especificações. No caso do X45, você obtém, de fábrica, a seguinte configuração: processador Intel Core i5-10210U de quatro núcleos, GPU Nvidia GeForce MX110, 8 GB de RAM, SSD NVMe de 256 GB e bateria de 43 Wh. Quanto ao software, o laptop roda o Windows 10 Home e algumas ferramentas próprias da Samsung, entre elas o Samsung Flow, para transferência rápida de arquivos entre o notebook e smartphones da fabricante.

Acredito que esta é uma boa configuração para um modelo intermediário. Mas se você achar que não está suficiente, o X45 permite que você faça um upgrade de SSD e memória RAM. Na parte traseira, existem duas aberturas para remover os dois componentes. Minha dica é para você ter muito, mas muito cuidado na hora da remoção, pois as tampas que protegem as peças estão bem seladas à carcaça do produto.

O desempenho foi exatamente aquilo que eu esperava: não travou nas tarefas básicas do dia a dia, como abrir programas simples (Word, Spotify, Discord), nem no famigerado teste de abrir trocentas abas no Google Chrome.

Tentei rodar alguns jogos por meio da Steam, mas também foi exatamente aquilo que eu esperava: uma queda absurda de frames em qualquer game mais pesado. Eu tentei jogar Destiny 2 e Borderlands 3 – não só porque são dois dos meus jogos favoritos, mas porque ambos exigem muito desempenho. O X45 não é uma máquina específica para games, mas recomendo ficar só no básico do básico mesmo.

Quero destacar que, mesmo expondo o X45 a testes mais pesados, em nenhum momento me deparei com travamentos, mesmo usando vários programas abertos simultaneamente. Quanto a isso, pode ficar tranquilo, pois, para um modelo mediano, é um laptop bem rápido.

O que mais me deixou na mão foi a bateria de 43 Wh. Veja bem, é uma capacidade razoável, mas não suficiente para durar pelo menos um dia inteiro de trabalho. Comigo, ela durou cerca de cinco horas e meia. Também testei assistindo dois episódios de The Boys, no Amazon Prime Vídeo, e mais um episódio da série Pose, na Netflix, usando o brilho máximo na tela. Nessa situação, a bateria foi de 100% para apenas 12% em pouco menos de três horas.

Tela, teclado e touchpad

Nem todo mundo se importa com pixels, resoluções altíssimas ou a melhor qualidade de imagem. Também, não tem nem como exigir essas características em um aparelho intermediário. No entanto, o Samsung Book X45 poderia ter se empenhado melhor nesse quesito, já que a tela do laptop deixa a desejar.

Aqui, temos um painel LCD de 15,6 polegadas com resolução de 1.366 x 768 pixels. De longe, é uma maravilha. Contudo, basta ficar mais próximo do display para perceber os vários pontinhos que formam a tela, deixando a visualização inferior a qualquer painel de maior resolução – do seu smartphone, TV, tablet. Para piorar, você precisa ajustar a abertura da tela ângulos específicos de acordo com a sua posição, e assim evitar que a imagem fique escura ou esbranquiçada. É um pé no saco.

Ah sim, tem uma webcam, mas não é grande coisa (tem somente 480p de resolução), como boa parte dos modelos da atualidade. Talvez, motivadas pela pandemia, as fabricantes passem a dar atenção para as câmeras na próxima geração de laptops.

No teclado, mais um ponto para a Samsung. As teclas são bem precisas e, mesmo tendo os dedos grandes, não esbarrei entre eles durante a digitação. Inclusive, os botões me pareceram mais largos e menos barulhentos, se comparados a teclados de outros notebooks intermediários. E não posso me esquecer de mencionar as teclas numéricas na lateral à direita, algo que eu sinto muita falta nos laptops que testei nos últimos anos. No geral, eu gostei bastante do teclado.

Minha única ressalva é que o teclado não é retroiluminado. Não que eu tenha usado o laptop no escuro, mas se as teclas tivessem essa iluminação seria mais confortável digitar ao final de tarde, quando o dia começa a escurecer.

Por fim, o touchpad. Apesar de eu ter gostado do tamanho – é um dos mais amplos que já vi em um notebook intermediário -, ele não respondeu com precisão aos meus comandos. As partes que simulam os botões direito e esquerdo de um mouse não funcionaram direito, além de emitirem um som alto de “tec tec”. E os comandos por gestos também apresentaram uma sensibilidade exagerada. No final das contas, acabei usando um mouse Bluetooth.

Conclusão

Colocando todas as características na balança, o Samsung Book X45 é uma opção de laptop intermediário que atende as principais demandas da categoria. Apesar de não ser voltado para tarefas pesadas, como jogos e softwares no estilo Photoshop, a máquina tem um ótimo hardware, excelente teclado e um número significativo de portas, dispensando adaptadores. Não é um aparelho tão fino, mas o peso de menos de 2 kg faz com que ele se encaixe facilmente em qualquer mala ou mochila.

E o que mais pesa nessa balança? Para mim, a falta de uma tela com maior definição e uma maior autonomia de bateria. Se durasse entre seis e oito horas, seria perfeito.

Não vamos esquecer do preço: oficialmente, ele custa R$ 4.829, mas é possível encontrá-lo por uma média de R$ 4.500. Vale tudo isso? Por esse preço, não. Portanto, o mais indicado é esperar alguns meses, quando a tendência é que os valores diminuam.

Tem também a questão da concorrência, que traz configurações similares por valores um pouco mais em conta. O Lenovo Ideapad S145, por exemplo, usando o mesmo chipset Core i5-10210U, pode ser encontrado por cerca de R$ 3.800, e o Acer Aspire 3 por R$ 3.500. Ainda são preços bem elevados para uma máquina mediana, mas são mais baixos do que o que você pagaria no X45. No mais, é um bom notebook para quem busca um aparelho focado em rapidez, produtividade e funções diárias, sem exigir poder de fogo para jogos ou programas mais pesados.