Em setembro de 2018, o presidente de divisão móvel da Samsung, DJ Koh, concedeu uma entrevista em que dizia que a categoria de smartphones intermediários começaria a receber recursos e tecnologias antes dos dispositivos topo de linha.

A justificativa de Koh era que eles estavam pensando nos millenials, “que não podem se dar ao luxo de comprar um smartphone de gama alta”. Desde então, a Samsung já lançou o Galaxy A7, um aparelho de três câmeras na traseira, e mais recentemente disponibilizou no mercado o Galaxy A80, o primeiro smartphone da marca com câmera tripla e rotativa. Ele tem um conjunto de três câmeras que serve tanto para selfies como para imagens convencionais. Para mudar o lado, o usuário rotaciona a câmera (que faz um barulho estilo o do Robocop) conforme a necessidade.

Passei os últimos dias mexendo com o Galaxy A80 e, por ora, é possível dizer que é um bom smartphone beta. Pelo menos comigo, a câmera não deu pau nenhuma vez — lembre-se, é um aparelho com uma câmera móvel e com grande chance de dar algum problema de hardware.

Ele está em um preço mais camarada que o de lançamento. Em julho, a Samsung tinha preço sugerido de R$ 3.499 — praticamente o preço de um Galaxy S10e mais simples na época. Atualmente ele é encontrado por valores que variam entre R$ 2.100 e R$ 2.600 nos varejos. Abaixo, um resumo de como foi usar o aparelho.

Usando

O Galaxy A80 é gigante e relativamente espesso: quase 10 mm, o que faz grande diferença comparado a dispositivos topo de linha com com no máximo 8 mm. Na frente, ele tem uma tela de 6,7 polegadas FullHD com uma pequena borda em volta do display. Como a câmera fica para trás, é engraçado que as pessoas viam o aparelho e perguntavam de primeira como fazia para tirar selfies com ele.

Como não tem notch, ele tem dois alto-falantes, um na parte de baixo do dispositivo e outro sob a tela. Então, durante uma chamada, a interface pede para posicionar o aparelho na orelha em determinada área para poder escutar a ligação com mais clareza.

Samsung Galaxy A80 de frente

Seguindo a tendência antecipada pelo executivo da Samsung, o Galaxy A80 tem 8 GB de RAM, 128 GB de armazenamento e leitor de digital sob a tela. Como você pode ver, itens dignos do Galaxy S10e. Aliás, importante salientar que o desbloqueio sob a tela não era muito bom no início — durante os testes, rolaram algumas atualizações que melhoraram muito a precisão do sensor.

Como um “falso topo de linha”, a Samsung também tirou dele a entrada convencional de fone de ouvido. Então, junto com o smartphone vem um fone USB-C simplão, nada como o AKG que acompanha os Galaxy S10 ou Note 10.

Porta USB-C do Galaxy A80

Agora, a característica dele de “intermediário” é revelada no processador. O Galaxy A80 tem um chip Qualcomm Snapdragon 730, que é uma linha de chips que equipa dispositivos de gama média. De forma objetiva, o smartphone não apresentou grandes problemas de desempenho.

No início, por algum motivo bizarro, alguns apps fechavam sozinhos durante a atualização de software. Com o tempo e algumas atualizações da Samsung, isso parou de acontecer. Se você curte games, ele pode ser uma boa opção. Deu para jogar bem o Call of Duty Mobile, sem muito atraso e com boa fluidez nos comandos — não sou nenhum profissional, mas posso dizer que tenho o meu valor nessa jogatina de games battle royale.

Call of Duty Mobile

Bateria

Como já disse, o Galaxy A80 é bem grande, mas como é a autonomia dele? Bem, ele conta com uma bateria de 3.700 mAh e para mim, após uso intenso, ele chegou ao fim do dia com 15% de carga. Ainda deu para usá-lo como despertador para o dia seguinte, mas aí já tive que colocá-lo na tomada para carregar. Quando me refiro a uso intenso, falo em uso de WhatsApp, Discord, Twitter, Instagram e câmera.

Na tomada, ele leva um pouco mais de 1h20 hora para ter carga completa de 5% a 100%. Isso ocorre graças ao carregador de 25W que ajuda a carregá-lo mais rapidamente. Nada tão ignorante quanto o Huawei P30 Pro, com 40W, mas é bem decente a velocidade de recarga.

Sistema

Não tive muitos problemas ao utilizar a One UI, da Samsung. Como usei vários aparelhos Samsung recentemente, meio que me acostumei, então vou só listar o que mais acho interessante na plataforma:

  • Modo noturno em todo o sistema e no navegador proprietário da marca.
  • Ícones grandes, o que facilita no acesso a apps, sobretudo de aparelhos com tela grande.
  • Marcar notificações do WhatsApp como lidas quando você as desliza para a direita na barra de notificações.
  • Busca no menu Configurações, o que ajuda bastante a achar funções.
  • MyEmoji: é uma frescura, mas é interessante fazer um avatar seu; o recurso está disponível desde o Galaxy S9, mas eu sempre acabo me esquecendo de citar que é bacana.

No tempo de teste, tive basicamente um problema com a interface do smartphone. Às vezes, eu queria ouvir músicas no Spotify e colocava o aparelho no bolso, aí, do nada, pelo contato com a minha pele, começava a mudar de faixa ou simplesmente interromper a reprodução.

Galaxy A80

Para começar, eu tinha ativado o Smart Lock, uma função do Android que desbloqueia o aparelho ao detectar que ele está próximo ao corpo. O problema é que ele deixava o telefone liberado mesmo após eu ter bloqueado o aparelho e colocado no bolso. Não sei se pelo fato de a tela ser grande. Para solucionar, tive que desativar o Smart Lock.

E as câmeras?

O conjunto de câmeras do Galaxy A80 é decente. São três sensores de, respectivamente:

  • 48MP de f/2.0 grande angular;
  • 8MP de abertura f/2.2 (123°) ultra-grande-angular;
  • profundidade 3D (time of flight).

Sendo bem sincero, como boa parte dos aparelhos que testei nos últimos tempos, o que mais curti é tirar fotos com a ultra-grande-angular, mesmo sendo um sensor com menos resolução e com abertura menor.

Detalhe da câmera do Galaxy A80

De modo geral, as imagens são boas, com fotos durante o dia tendo resolução e saturação de cor ótimas — sobretudo com o otimizador de cenas ativado. À noite, o resultado é satisfatório, mas rola ainda muita granulação e uns pontos de luz estourados. Porém, quando tem alguma iluminação, os resultados ficam bem bons. Algumas fotos que tirei da Avenida Paulista são prova disso.

Tirar selfie é um evento com o A80. Isso se deve ao barulhinho à la Robocop que o telefone faz ao girar o conjunto de câmeras. Confesso que estava com muito medo de quebrar o mecanismo, mas funcionou bem durante meu tempo de uso. Para a primeira vez que a empresa implementa tal mecanismo, até que deu certo.

Conjunto de câmeras do Galaxy A80 rotacionada para tirar selfies

Aliás, a interface de câmera da Samsung tem uma peculiaridade na diferenciação entre selfie e foto convencional. No primeiro caso, aparecem três opções de “aproximação” (uma muito próxima, uma distância mediana grande angular e a ultra-grande angular), enquanto no segundo aparecem apenas dois (grande angular e ultra-grande angular). Por que acontece isso sendo que para os dois casos é o mesmo conjunto de câmeras?

Perguntei para a Samsung e eles disseram “para a selfie, você usa a mesma câmera com dois ângulos diferentes de abertura: uma para tirar selfie, outra para tirar ‘wefie’. É o que difere da câmera traseira, mantendo 2 distâncias focais”.

Mas voltando a falar sobre as selfies, as imagens saem com qualidade muito boa. As diferentes distâncias ajudam a fazer com que ninguém fique de fora do clique.

Se você curte fazer vídeos, é importante dizer que mesmo com esse sistema rotacional de câmera, ele faz uma transição até que rápida. Então, se você estiver fazendo uma live andando, isso não será um problema.

Conclusão

Com o mercado de smartphones cada vez mais complexo, as empresas têm qualificado cada vez mais o ramo dos intermediários pois, como gosto de dizer, são eles que fazem as companhias “pagarem as contas”.

O Galaxy A80 fica em um espaço entre intermediários avançados e smartphones topo de linha. Penso que ele seja voltado para quem curte tirar fotos e gravar vídeos — já que a qualidade para selfie e das fotos convencionais é a mesma — e early adopters (que gostam de se arriscar com a primeira versão de certas tecnologias). Digo isso pois as pessoas que me viam com o Galaxy A80 ficavam preocupadas de verdade com o mecanismo de rotação. Tipo, se quebrar, nunca mais vou tirar selfies?

Lógico, esta é a primeira iteração da tecnologia feita pela Samsung, então as coisas devem melhorar. Por ora, é uma aposta num futuro em que selfies devem ser tão bonitas quanto as fotos do conjunto da câmera principal. Como já falamos, o preço dele na estreia estava proibitivo, mas agora ele passa a custar o valor de um “intermediário avançado” convencional.

Samsung Galaxy A80
Celular Samsung Galaxy A80 Preto 128gb 8gb Tela 6,7" Câmera Tripla Rotativa 48mp + 8mp + ...
Veja

Especificações do Galaxy A80

  • Chip Qualcomm Snapdragon 730
  • Tela: 6,7 polegadas, FullHD+ (1080×2400), Super AMOLED
  • Câmera: 48MP, F2.0 + 8MP, F2.2 (123°) + Profundidade 3D
  • Câmera rotativa
  • Dimensões: 165,2 x 76,5 x 9,3 mm
  • Processador: Octa Core (2.2GHz Dual + 1.8GHz Hexa)
  • Memória: 8 GB de RAM + 128 GB de Armazenamento Interno
  • Bateria: 3.700mAh
  • Leitor de impressões digitais embutido na tela
  • Cores: Preto, Rosê, Prata
O Gizmodo Brasil pode ganhar comissão sobre as vendas. Os preços são obtidos automaticamente por meio de uma API e podem estar defasados em relação à Amazon.