Um robô cirúrgico capaz de reconectar vasos com diâmetros minúsculos de 0,3 milímetros foi testado em pacientes humanos e os resultados são promissores.

Uma nova pesquisa publicada na Nature Communications descreve o MUSA – o primeiro sistema robótico criado exclusivamente para a realização de supermicro cirurgias reconstrutivas.

Usando o sistema, os cirurgiões foram capazes de reconectar vasos com diâmetros entre 0,3 e 0,8 milímetros, o que, embora não impossível para os cirurgiões humanos, é uma tarefa que requer tremenda habilidade, destreza e paciência.

O MUSA foi testado recentemente em um pequeno grupo de pacientes com câncer de mama, e todos responderam positivamente ao procedimento, de acordo com o artigo.

O estudo piloto envolveu 20 pacientes, todos elas selecionadas aleatoriamente para o estudo. Todas as mulheres tinham linfedema relacionado com câncer da mama – uma condição debilitante que pode reduzir substancialmente a qualidade de vida.

O linfedema pode ser tratado com uma técnica microcirúrgica conhecida como anastomose linfático-venosa (LVA, na sigla em inglês), em que cirurgiões altamente qualificados reconstroem e restauram manualmente o fluxo linfático e a circulação arterial.

Mas, como os autores apontam no novo estudo, “o desempenho é limitado pela precisão e destreza das mãos humanas”. Além disso, nem todos os pacientes se qualificam para a cirurgia, dada a sua natureza delicada.

Cirurgiões usando o robôCirurgiões usando o MUSA. Imagem: T. J. M. van Mulken et al., 2020

Com estas limitações em mente, uma equipe do Centro Médico da Universidade de Maastricht, juntamente com colaboradores da Universidade de Tecnologia de Eindhoven, ambas na Holanda, procurou avaliar a eficácia da supermicro cirurgia reconstrutiva assistida por robôs.

Existem outras plataformas cirúrgicas robóticas, como o Sistema Cirúrgico Robótico Da Vinci, mas nenhuma poderia ser adaptada para reconectar vasos em microescala. Isso exigiu que a equipe construísse um sistema específico para a tarefa.

A MicroSure, empresa sediada na Holanda por trás da plataforma, projetou o MUSA para ser extremamente estável; ela é capaz de filtrar vibrações, ou tremores, tipicamente associados à mão humana. Também diminui os movimentos feitos pelos cirurgiões humanos que estão no controle do sistema, tornando-o fácil de manobrar. O MUSA possui braços que seguram instrumentos microcirúrgicos e é compatível com os microscópios cirúrgicos padrão.

Um estudo piloto pré-clínico foi criado para avaliar o sistema, no que é agora o “primeiro estudo em humanos da supermicrocirurgia assistida por robôs usando uma plataforma robótica microcirúrgica dedicada”, de acordo com o artigo, de co-autoria de Tom van Mulken do Centro Médico da Universidade de Maastricht.

Os resultados cirúrgicos foram avaliados um e três meses após a cirurgia. Os especialistas consideraram fatores como a qualidade das conexões e o tempo necessário para a cirurgia, ambos comparados à cirurgia manual de LVA.

A qualidade dos vasos reconstruídos foi muito boa e indistinguível da cirurgia de LVA manual, mas o tempo cirúrgico total necessário para o grupo assistido por robô foi de 115 minutos, em comparação com os 81 minutos necessários para o grupo manual.

Os autores disseram que isso não é uma discrepância terrível, observando que os cirurgiões que utilizaram a plataforma MUSA ficaram mais rápidos, pois superaram a curva de aprendizado e se tornaram mais proficientes com os controles.

Não foram relatados resultados adversos graves e a qualidade de vida das pacientes melhorou, levando os autores a “relatar a viabilidade da anastomose supermicro cirúrgica assistida por robôs em LVA, indicando resultados promissores para o futuro da supermicro cirurgia reconstrutiva”.

Para o futuro, os pesquisadores querem testar o sistema em mais pacientes e em outras instalações médicas. Os cirurgiões são muito competentes no que fazem, mas esse sistema robótico pode dar ainda mais precisão, ao mesmo tempo que aumenta potencialmente o número de pacientes que podem se beneficiar da supermicro cirurgia reconstrutiva.