Parece as atualizações não foram definidas, pelo menos não do jeito que esperávamos: as placas de vídeo da série RTX 3000 da Nvidia ainda vão continuar em falta ao longo deste ano, de acordo com informações divulgadas por Colette Kress, CFO da empresa, durante uma reunião anual dos investidores da companhia, que ocorreu nesta segunda-feira (12).

Em novembro de 2020, a Nvidia previu que a demanda do produto poderia não condizer com sua disponibilidade. E foi dito e feito. E esta situação só fez com que houvesse um aumento expressivo no número de revendedores deste produto, que utilizaram rôbos de compra para conseguir efetuar a compra antes de um comprador comum.

Assine a newsletter do Gizmodo

Inclusive, este déficit de produto fez a empresa recolocar as antigas GTX 1050 Ti e RTX 2060 no mercado, de forma a compensar um pouco a falta de placas de vídeo. Na época, um porta-voz da Nvidia disse ao PCWord, que estas GPUs nunca foram realmente descontinuadas e que a empresa está apenas “atendendo a demanda do mercado, que continua extremamente alta”.

Não tem como não dizer que estas jogadas não foram inteligentes.

Mas, agora surgiu um outro tópico de discussão: os mineradores de criptomoedas colocaram seu time em campo e também estão comprando as GPUs. Como resposta, a empresa desenvolveu o Nvidia CMP HX, uma linha exclusiva de placas de vídeos usadas para mineração profissional. Até o momento, o principal investidor desta série é a empresa Hut 8 Mining Corp., uma das maiores empresas de mineração de criptomoedas, que comprou várias unidades por um total de US$ 30 milhões.

“Esperamos agora que a receita da CMP seja de aproximadamente US$ 150 milhões, maior do que os US$ 50 milhões incluídos em nossa previsão fiscal para o primeiro trimestre”, disse Kress durante a reunião da segunda-feira.

Isso mostra que mesmo com a escassez das placas, os planos da empresa seguem tranquilamente e de forma efetiva. O recorde de receitas no trimestre entre novembro de 2020 e janeiro de 2021 de US$ 5 bilhões também é um indicativo de que, por mais que as coisas estejam ruins, no final, dá tudo certo.