Pobre do Sr. Urso Polar. Quando ele não está saltando de um naco de gelo derretendo para outro, tentando desesperadamente não se afogar, ele está evitando as usinas nucleares flutuantes russas e seu potencial lixo tóxico.

Sim, você leu isso mesmo, companheiros da Internet. Em breve, o Sr. Urso Polar e seus parentes compartilharão seus imóveis com um anel de usinas nucleares flutuantes e auto-sustentáveis. Tudo isso faz parte da sede contínua por energia da Rússia – e do mundo.

Ambientalistas estão compreensivamente ultrajados com o impacto que tais usinas podem ter sobre uma área já tão comprometida do globo, e se os ursos polares pudessem falar, eu imagino que eles também se sentiriam violados.

Como disse um representante da Bellona, um grupo escandinavo de alerta ambiental, “O plano é altamente arriscado. O risco de um acidente nuclear é ainda maior em usinas flutuantes. O impacto potencial das usinas sobre o frágil meio ambiente ártico devido às emissões de radioatividade e calor continua sendo uma grande preocupação. Se houver um acidente, seria impossível controlá-lo”.

Ah, e tem também o temor de que a Rússia vá simplesmente jogar o lixo radioativo no Mar Ártico, coisa que já fizeram antes em diversas ocasiões. Até hoje, pelo menos 12 reatores nucleares de submarinos russos desativados foram jogados lá, junto com mais de 5 mil contêineres de lixo sólido e líquido.

Logo, logo o oceano será um uma aurora boreal permanente por lá. Uma linda aurora boreal causadora de câncer. [Guardian]