O Samsung Galaxy S4 é um smartphone muito bom. É rápido, é grande, é fino e totalmente merece estar no bolso da maioria das pessoas. Mas, aparentemente, isso não é o bastante para a Samsung.

A empresa foi pega no flagra manipulando testes de benchmark para fazer o aparelho parecer melhor do que é. Basicamente, o S4 é especificamente ajustado para funcionar mais rápido nos testes que no uso real. Atualização: a Samsung responde às acusações.



O Anandtech descobriu que o S4 com Exynos 5 Octa faz seu chip gráfico chegar a um clock de 533MHz em certos testes de benchmark (AnTuTu, GLBenchmark 2.5.1 e Quadrant), enquanto todos os outros apps e jogos – inclusive os mais exigentes – ficam limitados a 480MHz ou menos. Isso faz o desempenho parecer quase 14% maior que o real.

Até mesmo a CPU do S4 cospe mentiras em certos testes de benchmark. No GLBenchmark 2.5.1, o processador chega a um clock de 1.2GHz e nunca fica abaixo disso. No GFXBench 2.7, a CPU pode chegar a 500 MHz. Basicamente, quando o S4 é testado no GLBenchmark 2.5.1, ele funciona em um modo mais rápido, e seus números escondem o desempenho de uso real.

Mas isso poderia ser o caso de benchmarks diferentes dando resultados diferentes, certo? Não. O Anandtech encontrou um arquivo no S4 que revela: ele foi codificado para funcionar melhor especificamente em certos apps de benchmark. “Quadrant padrão, avançado e profissional, Linpack (gratuito, não pago), Benchmark Pi e AnTuTu” são mencionados:

samsung galaxy s4 manipula

Esta é uma prática enganosa e desnecessária. Esse tipo de atitude questionável já aconteceu antes com benchmarks para PC: Nvidia, Intel e AMD já foram acusadas mais de uma vez nos anos anteriores de modificarem drivers para suas placas de vídeo (ou chips gráficos) funcionarem melhor em condições de teste. Mas isso não justifica de forma alguma essa manipulação da Samsung.

A descoberta do AnandTech é mais um sinal de que benchmarks para dispositivos móveis não são muito confiáveis. Este mês, o HotHardware notou que o popular teste AnTuTu estava dando uma vantagem injusta para chips móveis Clover Trail+ da Intel. Analistas usaram os resultados para argumentar que estes processadores x86 ultrapassaram de longe os chips da concorrente ARM. A AnTuTu atualizou seu software, e os números do chip da Intel caíram até 50%, voltando aos níveis de antes.

O desempenho do S4 está longe de ser ruim, por isso é estranho pensar que a Samsung sentiu a necessidade de enganar o sistema para provar isso. Daqui em diante, olharemos os benchmarks de dispositivos móveis com mais desconfiança.

Para um mergulho mais profundo na análise do AnandTech, visite o link a seguir: [AnandTech]

Atualização: a Samsung respondeu às acusações. A empresa diz que o chip gráfico opera a 533 MHz com “certos apps em tela cheia”, como a câmera, navegador, player de vídeo e testes de benchmark – talvez isso explique o código acima. No entanto, ela afirma que muitos jogos não precisam do clock máximo: ele varia “para fornecer uma experiência de uso ideal para nossos clientes”.

A resposta, no entanto, ainda não convence: no benchmark do Unreal Engine (base de diversos jogos) feito pelo AnandTech, o chip gráfico chega a apenas 480 MHz. Se o clock chega ao máximo apenas para determinados benchmarks, então há sinais de manipulação.