Em produções como “Bad Vegan”, “O golpista do Tinder” e “Inventando Anna”, da Netflix, pessoas manipuladoras e abusivas exploram amigos e parceiros românticos — e conseguem receber deles milhares (ou até milhões) de dólares.

Em “Bad Vegan” por exemplo, o relacionamento de Sarma Melngailis, chef e empresária de Nova York faz com que ela quase perca seu restaurante — e por tabela, sua reputação graças a Anthony Strangis, seu ex-marido. Melngailis, que chegou a ser presa, declara ter dado a Strangis US$ 1,7 milhão, grana que deveria ter ido para seus funcionários e investidores.

Já em “O golpista do Tinder”, provavelmente a mais famosa do trio, um homem usando o nome falso de Simon Leviev conheceu ao menos três mulheres no Tinder e tirou delas milhões de dólares. O homem misterioso ofereceu detalhes inventados sobre sua vida e carreira, pedindo grandes somas de dinheiro. O motivo? Inimigos misteriosos estavam tentando matá-lo.

“Inventando Anna” conta a história de Anna Delvey – ou Anna Sorokin, seu nome real –, uma impostora nascida na Rússia que se mudou para Nova York em 2013 e fingiu ser uma herdeira alemã para enganar ricaços. A série é inspirada no artigo “Como Anna Delvey Enganou os Socialites de Nova York”, publicado pela New York Magazine e escrito por Jessica Pressler.

Mas por que histórias desse tipo acontecem? Como alguém pode se deixar seduzir dessa forma? O BuzzFeed News investigou os motivos com a ajuda de especialistas nesta reportagem.

O primeiro mito é que pessoas em relacionamentos desse tipo caíram nessa por serem fracas ou inocentes demais “ou fizeram algo para causar isso a si mesmas”, disse Shaw, disse Gretchen Shaw, vice-diretora da organização sem fins lucrativos National Coalition Against Domestic Violence, em entrevista ao veículo. 

“Os abusadores sabem exatamente o que estão fazendo. Eles estão muito conscientes sobre como manipulam suas vítimas e como continuam a abusar delas”, explica. 

Vale destacar que a maioria dos relacionamentos abusivos não começa pela parte agressiva. Com o tempo, uma vez que a confiança tenha sido estabelecida, um parceiro manipulador começará a mostrar seu verdadeiro eu, de acordo com Shaw.

“O que a maioria das pessoas não entende é que os próprios agressores são multifacetados e manipuladores de todas as formas possíveis.”

É difícil coletar dados sobre quem a experimenta porque muitas pessoas não contam aos policiais ou profissionais, disse Robin Stern, psicanalista e cofundador do Yale Center for Emotional Intelligence.

Mas as estatísticas parecem indicar que as mulheres sejam alvos mais frequentes. Mulheres também são mais propensas a falar sobre isso com terapeutas, disse Stern, que acrescentou que já viu muitos homens que foram vítimas de abuso em relacionamentos familiares ou românticos (e mulheres sendo abusadas por outras mulheres).