Caro comentarista: você deve ter reparado algo novo no campo de comentários do Gizmodo. Não, não são minas terrestres, nem raios lasers — é apenas uma simples remoção que, esperamos, aumente a qualidade da discussão por aqui. Por isso, o poder de dar o voto de +1 em um comentário foi eliminado.

O motivo é a distorção que os pontos causam. Veja bem, no início do Giz tínhamos o thumbs up e o thumbs down, e removemos o segundo pela bagunça que ele causava — em vez de votar negativamente em comentários ofensivos ou fracos, as pessoas simplesmente votavam naquilo que não concordavam. Depois, passamos pelo Juca Awards que, apesar de divertido, causou outra distorção: todo mundo queria ser engraçadinho para aparecer nele. E isso estava acontecendo de novo, em um ritmo incômodo: na ânsia de ganhar mais likes, ser mais curtido e adorado, uma parcela dos comentaristas virou profissional de piadinha, de imagens engraçadas, de emissário especial do 9gag. E não é isso que queremos por aqui.

Durante o fim de semana, li comentaristas reclamando da eliminação porque eles usavam os números como guias para ler apenas os “melhores comentários”. E aí mora o perigo — quantos ótimos comentários já não vi por aqui que ficam perdido no mar de piadas, ganham poucos pontos e quase ninguém lê? E, mais do que isso, quantos comentários que pouco adicionam à discussão explodem de pontos apenas pela “polêmica”? O sistema de comentários de diversos sites vem mudando, e basicamente o motivo é a distorção e o perigo que eles trazem.

Veja só alguns exemplos que garimpamos de comentários cheios de votos pela internet:

O comentário acima está na matéria sobre a morte da irmã de Gusttavo Lima, no Terra

O comentário acima está no post sobre o vídeo de Nissim Ourfali, o garoto judeu, no Não Salvo

O comentário acima está em uma matéria sobre o recuo do câncer de Lula, na Folha.com

Deu para entender mais ou menos? A cultura do “curtir” um comentário pode criar um site especializado em piadistas (caso do Não Salvo) ou evidenciar uma faceta humana assustadora (caso do Terra e de vários outros portais). E, se você está aqui no Gizmodo faz algum tempo, sabe que essa não é nossa ideia. Prezamos a discussão saudável, sadia e que acrescente mais à matéria que produzimos.

Partimos do pressuposto de que a vida real e a vida virtual já são interligadas, o que nos permite fazer a seguinte analogia: se eu dou uma festa em minha casa e algum dos convidados entra gritando, fazendo bagunça e dizendo que metade das pessoas que estão curtindo a festa são imbecis, eu tenho todo direito de mandá-lo se retirar. É hora de parar de pensar que o mundo virtual é algo separado e começar a agir por aqui como você agiria se nos encontrasse na rua — e todas as vezes que fizemos eventos do Giz ou fomos abordados na rua, fomos tratados com respeito.

E nós estamos sempre estudando as melhores soluções e novas opções, já que cada grande site tem uma política diferente: o The Verge e o Gizmodo americano não têm opções de positivos, o Techcrunch e outros trocaram o sistema pelo Facebook e alguns portais simplesmente eliminaram os comentários, como é o caso do R7. Já o NY Times tem comentários moderados, e o Huffington Post tem um sistema interessante não de “positivos”, mas de fãs de comentaristas e badges, criando um sistema automoderado.

Por esses motivos e já pensando nos próximos passos, esperamos que a ausência do botão +1 melhore as discussões por aqui, e que elas sejam menos polarizadas e agressivas. Gostamos de vocês, cada comentário é importante, mas aqui dentro prezamos sempre pela melhoria de conteúdo não só editorial, mas nas discussões, que são quase como um grande fórum. E faremos sempre o que for preciso para deixar as coisas ainda melhores aqui na nossa casa.